Março 11, 2021

Primeiros resultados sobre as características qualitativas e actividade biológica dos extratos de nematócitos de Plocamia de Chrysaora (Cnidary, Scifozoa)

lat. Sou. J. aquat. Res., 36 (1): 83-86, 2008
DOI: 10.3856 / vol36-Iseluel-Fetext-6

Comunicação curta

Primeiros resultados em características qualitativas e biológicas Atividade de extratos de Nematocyst de Chrysaora Plocamia (Cnidary, Scifozoa)

primeiro resultados sobre as características qualitativas e atividade biológica de extratos nematocísticos de Chrysaora Plocamia (Cnidary, Scifozoa)

Marco A. Vega & Juan P. Ogalde

Departamento de Ciências Básicas, Universidad Santo Tomás Heróis de Concepción 2885, Iquique, Chile.

Endereço para correspondência

resumo. Nós caracterizações qualitativas e quantitativas intitadoras da atividade biológica dos extratos de nematocistos de 30 espécimes da Plocamia de Chrysaora coletados fora de Huayquique, Iquique, Chile. Depois de extrair os nematocistos dos tentáculos de água-viva, os caracterizamos com UV e IR varre e determinou sua atividade biológica por meio de análise antioxidante e hemolítica. Os resultados preliminares sugerem que os aminoácidos moleculares extraídos se originam de proteínas, com atividade antiadicalária de cerca de 65% como ação com um antioxidante de origens comerciais e muito baixa atividade hemolítica.

Palavras-chave: água-consultiva, nematocisto, bioaatividade , Antioxidante, hemólise.

resumo. É caracterizado qualitativamente e quantitativamente a atividade biológica dos extratos de Nematócitos de 30 cópias da plocâmia de Chrysaora coletada da cidade de Huayquique, Iquique, Chile. Um extrato nematocistico foi obtido a partir dos braços da água-viva e foi caracterizado por uma varredura na gama ultravioleta e infra-vermelha e depois a sua atividade biológica foi determinada por análise antioxidante e hemolítica. Os resultados obtidos sugerem que as moléculas do extrato podem ser aminoácidos da proteína, com atividade anti-radical, cerca de 65% em relação a um antioxidante de origem comercial e uma atividade hemolítica bastante baixa.

Palavras-chave: Água-viva, nematocisto, bioactividade, antioxidante, hemólise.

Chrysaoraplocamia (aula, 1830) é uma das 14 medusas scyphozoanas que habitam águas chilenas (Sielfeld, 2002). Esta espécie é distribuída em todo o Oceano Pacífico Sul Oriental de Paita off Northern Peru para Punta Arenas fora do sul do Chile (aula, 1830, vanhoffen, 1888ykfe Kramp, 1961). Quantidades maciças de água-viva morta ou seus restos foram encontrados lavados em terra fora de Iquique, especialmente no verão e parte da primavera; Os nematocistos que o uso de água-viva para alimentação e defesa são uma das causas mais frequentes de irritações da pele em nadadores (Vera et al, 2005). Esta espécie não é tóxica e causa nem envenenamento moderada nem grave em humanos, ao contrário de fisiafisalis, outra espécie relatada em águas chilenas cujas toxinas produzem complicações sistêmicas graves (Vera et al, 2005). No entanto, o veneno levemente tóxico de C. Plocamia pode causar pequenas manifestações cutâneas e oftalmológicas dentro dos primeiros 24 h, e atrasada a longo prazo reage em indivíduos que foram sensibilizados por meio de contatos anteriores que resultam em uma resposta imune (Vera et al, 2005 ).

Embora freqüentemente observado nas zonas costeiras, há poucas informações sobre a c. Biologia Plocamia e, mesmo menos, tudo sobre seus nematocistos e os mecanismos de purificação, composição e ação do seu veneno, como está disponível para Outras espécies congenéricas, como C. Quin-QuiCirrha ou C. ACLEYOS (Long-Rowe & Burnett, 1994, Faisal et al, 1999, Takatochi et al, 2004). Portanto, realizamos uma caracterização qualitativa preliminar para medir a atividade biológica dos extratos de nematocistos de 30 c. espécimes de plocâmia coletados fora de Huayquique, Iquique, em sacos de plástico com mergulho a uma profundidade máxima de 35 m em janeiro e fevereiro de 2007. Cada espécime Foi identificado para o nível de espécie de acordo com KRAMP (1961) e Fagetti (1973), e o diâmetro externo de sino foi medido.

mais tarde, com base na técnica modificada de Burnett et al. (1992) e Burnett & Goldner (1970), os tentáculos de medusa foram extraídos e embebidos em filtro de 0,5 mm. O extrato resultante foi refrigerado em frascos rotulados de 25 ml mantidos em contêineres até a sua análise no laboratório de ciências básicas da Universidade Santo Tomás, Campus Iquique. Cada amostra foi então centrifugada a 4.000 rpm por 2 min em uma centrífuga de Hettich (Boeco-28, Rotor 1624) em uma amostra de 2: 3 mL: solução saturada de sacarose; O decaimento resultante foi re-centrifugado por 1 min. A amostra foi então submetida a agitação magnética fria (Cientificador de Velp) por 15-20 min a 1200 rpm até obter o extrato nematocista.O rendimento do extremo nematocisto e a abertura foram estimados contando com 0,2 ml sob um microscópio de luz. A fim de caracterizar qualitativamente o extracto do nematocisto em sacarose em termos de aminoácidos e péptidos, uma varredura UV de 250-700 nm foi feita num espectrofotômetro de Shimadzu UV-VIS 1240 utilizando um espaço em branco com água destilada e um controle com uma solução saturada de sacarose saturada e Uma varredura de IR de 700-4000 nm, com uma sacarose com água destilada. A presença de proteínas foi confirmada qualitativamente no extrato de nematocisto submetendo-o a um teste de biuret.

depois, a atividade biológica do extrato foi testada, avaliando a atividade de captura radical livre através de um ensaio de DPPH (difenilpicrylhydrazyl , Abuin et al., 2002) em triplicado. Para isso, 1 ml do extracto foi adicionado a 2 ml de solução DPPH (10 mg de DPPH (99%) em 1 L de metanol, DPPH 10 Mg-L-1), que foi posteriormente incubado numa banheira termorregulada durante 30 min . Sua absorbência foi então lida em 517 nm usando um espaço em branco com metanol. A atividade antioxidante do extrato foi calculada da seguinte forma: A = 100 (referência de amostra / ABS de 1 ABS) (Burda et al, 2001). Esta atividade foi comparada à BHT (hidroxitolueno butilada), um antioxidante comercial freqüentemente usado na indústria alimentícia.

A atividade hemolítica do extrato também foi comprovada usando o ensaio hemólise com eritrócitos humanos de acordo com Zou et al. (2001) e Mayasuki et al. (1987). Para isso, 5 ml de sangue retirado de um doador jovem e saudável que haviam sido jejum por 12 horas foram colocados em um destinatário com o agente anti-coagulante EDTA. O plasma foi eliminado em triplicado por centrifugação da amostra (3500 rpm por 5 min) e a suspensão eritrócitos foi lavada com solução salina fisiológica (0,9%) para eliminar o resíduo de plasma. Finalmente, 1 ml da suspensão original (5 ml de eritrócitos lavados avaliados a 250 ml com solução salina fisiológica de 0,9%) foi adicionada aos diferentes volumes do extrato até chegar a 3 ml com a solução salina fisiológica. Então, estes foram incubados a 37 ° C em um banho termorregulado durante 2 h, centrifugado a 3500 rpm durante 5 min, e o sobrenadante foi quantificado a 541 nm.

Todos os espécimes amostrados estavam vivos e maduros. Seus diâmetros de sino flutuaram entre 130 e 250 mm. O rendimento de extrato de nematocisto por espécime variou de 75 a 85%, enquanto o rendimento de ruptura nematocista variou de 50 a 70% a cada 0,2 ml.

Com relação ao espectro de faixa UV, um pequeno pico foi observado em 280 nm, juntamente com uma gama de analitos que absorveram entre 350 e 700 nm (Fig. 1). As varreduras IR dos extratos revelaram sinais das faixas mais “concentradas” do extrato no Grupo 1 (2800-3000 nm), associa-se a sindicatos O-metil ou formando os grupos de aldeídos; Grupo 2 (1500-1200 nm) relacionado com ligações N02, 0-N02 e C-N02; Grupo 3 (1200-1000 nm) associado a ligações C-O, C-OH e C-N, nos quais o mais provável é a ligação C-O, mas há probabilidades médias para as ligações C-N; e o Grupo 4 (1000-700 nm) relacionado a títulos C-O, O-O, N-O e N02, nos quais o mais provável é C-O (Fig. 2).

A porcentagem da atividade de captura radical livre (Fig. 3) indicou uma actividade antiradicalista do extracto do nematocisto de aproximadamente 65% em relação a um antioxidante comercial utilizado na indústria alimentar (BHT), cuja atividade é muito mais eficaz ( 97%). Por outro lado, o extracto do nematocisto apresentaram baixa atividade hemolítica em eritrócitos humanos (Fig. 4).

O extrato apresentou uma ligação de CO em suas estruturas que poderiam ter sido um aldeído ou grupo carbonilo, e uma ligação CN, nitrogênio que pode ser associado a um grupo nitro. Essas moléculas (oxigenadas e / ou nitrogenadas) dão resultados positivos no teste de Buriet para proteínas, correspondendo ao pico de 280 nm na varredura UV. Isso sugere que as moléculas do extrato podem ser aminoácidos de proteínas. A presença de um componente protéico também é observada em espécies com maior potencial tóxico (Vera et al, 2004, 2005). Por outro lado, a gama de analitos absorvida entre 350 e 700 nm sugere um efeito da concentração de sacarose, dada a maior absorção do extrato.

Dada a atividade antioxidante do extrato, pode ser deduzido que Isso provavelmente seria devido à presença de proteínas contendo grupos aromáticos. A presença de um componente protéico também é observada em espécies com maior potencial tóxico (Vera et al, 2004).

A atividade hemolítica da toxina foi comprovada em outras espécies cogeric (C. quinquecirrha e C. ociosas) e foi letal e / ou muito sensível em ratos. Seu potencial foi encontrado para ser diferente ao comparar a toxina em ambas as espécies, sendo menor para C. ACLEYOS (Long-Rowe & Burnett, 1994; Faisal et al, 1999).Esta espécie também foi considerada letal em outros tecidos do Diamond Killifish (Adinia Xenica) (Takatochi et al, 2004). No entanto, para C. Plocamia, os componentes moleculares testados no extrato de nematocisto mostram uma atividade hemolítica baixa e quase nula. Portanto, podemos concluir que eles têm baixa toxicidade, pelo menos em eritrócitos humanos. Isso geralmente poderia explicar seu efeito cutâneo e dermatológico diminuído em comparação com outras espécies (Vera et al., 2005). Apesar desses primeiros resultados, é necessário realizar novos estudos moleculares, a fim de determinar a estrutura das proteínas presentes no extrato do nematocisto, para testar hemo-lise em outras espécies e determinar futuras aplicações antioxidantes do extrato. / p>

Agradecimentos

Os autores agradecem à Dirección de Investigación Y PostGado (Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação) do Universidad Santo Tomás para financiar esta pesquisa.

ABUIN, E. , E. lissi, P. ortiz & C. Henriquez. 2002. Reação de ácido úrico com radicais DPPh na interface micelar. Bol. SOC. Chil. Quím. 47 (2): 145-149.

Burda, S., W. oleszek & J. Agric. 2001. Antioxidante uma atividade antiradical de flavonóides. Comida Chem., 49: 2774-2779.

burnett, j.w. & R. Goldner. 1970. Purificação parcial da urtiga do mar (Chrysaora Quinquecirrha) Nematocyst Toxin. Proc. SOC. Exo. Biol. Med., 133: 978-981.

Burnett, J.W., K. LONG & H.M. Rubinstein. 1992. Preparação à beira-mar de tentáculos nematocistos de água-viva. Toxicon, 30 (7): 794-796.

fagetti, E. 1973. Medusas de Aguas Chilenas. Rev. Biol. Mar., Valparaíso, 15 (1): 31-75.

Faisal, R, LA. Gershwin & j.w. Burnett. 2000. Estudos toxinológicos sobre o veneno do nematocisto da Chrysaora Azhlyos. Toxicon, 38 (11): 1581-1591.

KRAMP, P. 1961. Sinopse das medusas do mundo. J. Mar. Biol. Associar. U.K., 40: 1-469.

long-rowe, k.o. & j.w. Burnett. 1994. Nettle Mar (Chrysaora Quinquecirrha) Lethal Factor: Purificação por reciclagem em miçangas acrílicas de ácido m-aminofenil. Toxicon, 32 (4): 467-478.

mayasuki, M. Hiroshi, M. MAKOTO, YORIHIRO & N. etsivo. 1987. Oxidação da cadeia livre radical de glóbulos vermelhos de rato por oxigênio molecular e sua inibição por Alfa-tocoferol. Arco. Biochem. Biophys., 258: 373-380.

Sielfeld, W. 2002. Phylum Coelenterata: Clase Scyphozoa. Guías de Identificación Y Biodiversidade Fauna Chilena. Apuntes de Zoología, Universidad Arturo Prat, Iquique, Chile, 4 pp.

Takatoshi, I., i. Vucenik, a. Shamsuddin, F. Niculescu & j.w. Burnett. 2004. Duas novas ações de Nettle do Mar (Chrysaora Quinquecirrha) Nematocyst Venom: Estudos sobre o mecanismo de ações na ativação do complemento e no sistema nervoso central. Toxicon, 44 (8): 895-899.

vera, c.k., M. Kolbach, M.S. Zegpi, F. Vera & J.R Lonza. 2004. Picaduras de Medusas: Atualización. Rev. Méd. Chile, 132: 233-241.

vera, c.k., M. Kolbach, M.S. Zegpi, F. Vera & J.R Lonza. 2005. Medusas en Chile: um propóso de un casco. Rev. Chil. Dermatol., 21 (2): 96-101.

zou, C. g., s.a. nihal & L.J. Graham. 2001. O insulto oxidativo aos glóbulos vermelhos humanos induziu pelo iniciador radical livre AAH e sua inibição por uma mistura antioxidante comercial. Life Sci., 69: 75-86.

recebido: 10 de Julho de 2007; Aceito: 16 de outubro de 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *