Março 21, 2021

Fatores associados à intenção de aposentadoria do trimestre de acordo com os estudantes da longa corrida da Universidade de Simón Bolívar, local Sartenejas

Fatores associados à intenção de aposentadoria do trimestre de acordo com os alunos das longas carreiras da Universidade de Simón Bolívar, local de Sartenejas

Nelly Fernández de Morgado

Doutor em Ciências Sociais e Humanidades; Simón Bolívar University, Miranda State, Venezuela [email protected], [email protected]

Resumo

O principal objetivo do presente trabalho foi descrever os fatores associados à intenção para retirar o trimestre. O estudo é considerado como uma investigação de escopo descritivo emoldurado em tradição quantitativa. A unidade de estudo foi estudantes da Universidade de Simón Bolívar, sede Sarteneejas, longas corredores, de 2004 a 2008, eles solicitaram retirar o trimário. A análise dos dados sugere que os fatores mais significativos associados à intenção do aluno retiraram o trimestre são, por ordem de frequência: acadêmico, pessoal e econômico, independentemente do ano, a corrida e a bolsa de estudos. Também foi encontrado que a porcentagem de alunos que suspendem seus estudos usando esse recurso é muito baixa para ameaçar a retenção, e que eles usam essa estratégia para melhorar sua permanência. Este resultado difere da tendência que foi relatada no país e na América Latina em geral, onde predominam os fatores socioeconômicos e a suspensão temporária dos estudos abriga uma conotação negativa.

Palavras-chave:

Intenção de aposentadoria do trimester, retenção, simón Bolívar University.

Fatores associados à retirada por termo por estudantes da longa carreira na universidade “Simón Bolívar” (Campus Sarteneejas)

Resumo

O objetivo do presente estudo é descrever Os fatores associados ao intemento do aluno para remover o termo acadêmico. Esta é uma pesquisa quantitativa descritiva. A unidade de estudo foi o grupo de estudantes que fazem carreiras longas na Universidad Simón Bolivar, site de Sittenejas, que aposentou os termos durante o período de 2004-2008. Os resultados sugerem que os fatores mais significativos são acadêmicos, pessoais e financeiros, independentemente do status de carreira ou bolsa de estudos. Também foi descoberto que a porcentagem de alunos que usam essa estratégia é muito baixa para a retenção de ameaças. Além disso, a maioria dos alunos usa essa estratégia para capacitar sua persistência. Esses resultados diferem dos mais comuns, domésticos e regionais, em que os fatores socioeconômicos dominam e a quebra temporária na carreira é cresinhada para ter um efeito negativo na persistência.

Palavras-chave:

Intenção de remover termo, retenção, simón bolívar University.

Recebido: 03/31/2010 Aprovado: 21/10/2010

Introdução

Para o ano 2003, 17 de 100 venezuelanos, entre 18-24 anos, eles inscrito na faculdade. Deles, cerca de metade conseguiram se formar com um custo médio de 5 milhões de bolivars por aluno. No caso da Universidade de Simón Bolívar (USB), em particular, cada aluno custou a nação 16,07 milhões de bolivares anuais (CNU-OPSU 2003). Para janeiro de 2008 havia 5665 alunos matriculados no USB e a alocação orçamentária para esse ano foi de 47.453.643 US $), em programas de treinamento e cuidados estudantis1 (USB, 2008A, pp. 18 e 46); Em termos trimestrais, naquele ano a universidade investiu aproximadamente 2.792,21 U.S. $. Por estudante.

A preocupação com a produtividade do investimento que o Estado realiza no ensino superior é genuína e não deve ser subestimada. Existe um custo financeiro significativo associado a carreiras inacabadas. No momento em que um aluno abandona seus estudos, uma quantidade importante de dinheiro e tempo em sua educação já terá sido investida. Certamente, as universidades prefeririam investir esses recursos em estudantes que persistem até completar sua carreira. Além disso, há um custo não financeiro associado a carreiras inconclusivas, o abandono dos estudos pode afetar negativamente o desenvolvimento e a realização acadêmica de outros estudantes, uma vez que afeta a moralidade e cria dúvidas sobre o objetivo (vermelho, 1975).

O fenômeno do abandono da raça tornou-se um tema de preocupação em todo o mundo (ver, por exemplo, Schimid e Abell, 2003, Bailey, Calcagno, Jenkins, Leinbach e Kienzl, 2005, Nobre, Flynn, Lee e Hilton, 2007-2008; Brotherwics, 2006-2007), e a profunda preocupação que despertou no nível regional é inegável (ver, por exemplo, IESALC-UNESCO, 2005, ensino superior, 2006).

No seu relatório sobre o ensino superior na América Latina e no Caribe 2000-2005, o IESALC-UNESCO determinou a deserção do aluno como uma questão prioritária para os países membros da organização. As figuras são alarmantes, há países que atingem números superiores a 70%. Definitivamente, esta é uma situação que não pode ser ignorada. Estatísticas de políticas públicas e designers fazem perguntas como quanto custa a nação para se formar um engenheiro?, Quanto disso retorna à nação?, Quanto custa a nação em carreiras abandonadas? Aqueles que olham para o problema da perspectiva do retorno social concluem que o equilíbrio está em desvantagem para a nação.

O tema da rentabilidade do ensino superior público é muito controverso. Na esteira são questões como orçamento, retorno social, massificação e qualidade. As universidades públicas são forçadas a trabalhar com orçamentos cada vez mais restritos, devolução de investimentos em graduados e produtos de pesquisa, eles também devem massificar a qualidade sem diminuir. É necessário tornar-se organizações eficazes que podem enfrentar essas demandas

para responder a este desafio que vale a pena investigar o fenômeno e expandir nossa compressão para poder ter elementos objetivos que nos permitem projetar divergentes intervenções. Este estudo visa contribuir para o corpo de conhecimento que está sendo gesticulando em nosso país, no contexto da Universidade de Simón Bolívar.

Contexto de estudo

Simón Bolívar University (USB) é uma instituição pública de alta demanda acadêmica com uma ênfase tecnológica acentuada. Atualmente, as raças longas e curtas são oferecidas em ambos os locais, partes e litorais. As longas raças de sede Sartenejas são: engenharia: elétrica, mecânica, química, eletrônica, materiais, computador, geofísica, produção; Bacharel em: Química, Matemática, Física, Biologia e Gestão da Hospitalidade; Arquitetura e urbanismo. Na sede costeira, tecnologia, manutenção elétrica, eletrônica e mecânica, aeronáutica e humanista, são estudadas como administração aduaneira e comércio exterior.

O desenho curricular das raças consiste em dois ciclos: o básico e o profissional. No primeiro ano, o aluno considera alguns assuntos elementares para sua carreira e outros de natureza geral, comuns a todos. Por exemplo, matemática, física, linguagem e social são geralmente os assuntos do ciclo básico. No ciclo profissional, o aluno adquire as competências científicas e técnicas necessárias para executar como profissional de alta qualidade. Este período é complementado por um número obrigatório de créditos em indivíduos humanísticos, projetados para integrar sua formação. O regime acadêmico é trimestral e os planos são organizados em unidades de crédito. Cada sujeito tem tantos créditos quanto horas semanais.

O USB pode agora ser inserido através de três modalidades: admissão regular, ciclo de iniciação universitária (CIU) e atribuição direta pelo escritório de planejamento do setor universitário (OPSU). No primeiro caso, os alunos apresentam o teste de admissão e essa classificação será ponderada com as notas de bacharelado; O resultado deve ser igual ou superior ao ponto de corte estabelecido pelas autoridades para o ano em questão. O programa CIU permite a renda dos alunos ao USB que foram deixados sob o ponto de corte definido pelo Conselho de Administração. No caso de longas raças, 80% dos alunos de Liceos oficiais e 20% privados são selecionados até completar a cota disponível. No caso de corridas curtas, 100% dos admitidos são do Estado Vargas, sem levar em conta se forem públicos ou privados. Os alunos atribuídos diretamente pelo OPSU fazem um exame diagnóstico, cujo resultado determina se o aluno pode começar no ciclo básico ou se ele começar a estudar o CIU.

A inscrição estudantil da Universidade de Simón Bolívar é encontrada pela ordem dos 12.500 alunos, cerca de 9.500 estudantes de graduação, dos quais 58% são homens. Mais da metade da população estudantil pertence a famílias com um nível médio de renda e vivem em casas próprias, principalmente quintos ou apartamentos com todas as comodidades. Um pouco mais da metade dos alunos tem pais que completaram estudos de terceiro nível. Cerca de 90% desses alunos vêm de instituições privadas de ensino médio. O grau médio do bacharelado é 16/20, a nota média do exame de admissão é 43/100.Em relação ao modo de entrada, mais de 80% dos alunos entram por meio de teste de admissão, enquanto cerca de 10% entram via CIU e apenas cerca de 3% entram via Opsu (CTA-Dace, 2009).

Para ficar na universidade, o aluno deve passar por um regime de permanência, a saber: (a) o aluno deve manter um índice acadêmico igual ou superior a 3.0 (três pontos, cinco é o máximo de classificação), exceto no primeiro período. O aluno com índice igual a 2.8 pode registrar o próximo período como um teste; (b) Em seu primeiro trimestre, o aluno que tem um índice inferior a 1,9 perde seu registro, mas se igual a 1.9 você pode registrar o próximo período como um teste; (c) Durante o período experimental, o ônus acadêmico deve estar entre 8 e 11 créditos máximos; (d) recuperar a condição regular, o aluno deve culminar o período de teste com uma classificação igual ou superior a 3.0, caso contrário ele perde inscrição; (e) Se o aluno tiver um índice inferior a 3.0 depois de ter completado dois períodos de teste não consecutivos, ele perde seu registro; (F) Para o prazo do quarto trimestre, o aluno deve ter aprovado todos os assuntos correspondentes ao primeiro trimestre, caso contrário, ele perde seu registro, independentemente do seu índice acadêmico. Da mesma forma, para o prazo do sexto trimestre, o aluno deve ter aprovado todos os assuntos do segundo trimestre em relação ao ano de entrada de sua coorte; e (g) durante o primeiro trimestre, a remoção de assuntos não é permitida. O mesmo assunto só pode ser removido no máximo duas vezes. Durante a corrida, até um máximo de 10 retiros subtraidos (USB, 1998) podem ser realizados.

Em termos de academia acadêmica, os números para USB são os seguintes (USB 2008A, p.23 e 52): de 1969 a 2003, foram assinados 36.549 alunos, dos quais 12.565 foram formados (59% ), 3.509 em cinco anos, 7.530 em seis anos, 5.034 em sete anos, 2.690 em oito anos e 2.802 em mais de oito anos, isto é, apenas 16,27% dos alunos terminaram a tempo e a aproximadamente 80% experimentaram uma média atraso de 2 anos para obter o seu título. A taxa de graduação bruta (número de graduados em matrícula por cem) foi de 14,60% até 2008.

A alta demanda acadêmica, em termos cognitivos e conteúdo do programa, adicionado ao regime trimestral e ao regime de permanência do USB, muitas considerarem um grande desafio para culminar a corrida nesta universidade, e é esse mesmo recurso que faz com que a pós-graduação do USB seja altamente valorizada no local de trabalho, porque se torna um profissional de concorrência inquestionável.

Este estudo busca descrever e relacionar os fatores pessoais, familiares, acadêmicos ou outros, associados à intenção do aluno de longas carreiras de retirar o trimestre da Universidade de Simón Bolívar, na sua sede em Sartenejas. A aposentadoria do trimestre é uma expressão do fenômeno de persistência de retenção, como constitui uma interrupção na busca da raça. Seu estudo será útil para nutrir a compreensão desse fenômeno em nosso contexto. Espera-se que a análise dos dados identifiquem os fatores mais significativos associados à decisão do aluno de retirar o trimestre, bem como sua relação com variáveis como o ano, a corrida e a condição de estudos; A partir desse conhecimento, propomos derivar o significado disso para a capacidade de retenção da universidade, bem como a proposta de elementos para a construção de um modelo de retenção estudantil que contribui para a compreensão do fenômeno em nosso contexto.

Verificação

deserção de persistência e aluno: conceituação e modelos

O fenômeno do abandono da universidade ou terceiro nível, é um processo social que envolve Vários atores, portanto, sua conceituação irá variar de acordo com o ângulo de onde é percebido. Para começar, é importante fazer uma distinção entre a aposentadoria ou o abandono voluntário e a retirada forçada. O primeiro é geralmente chamado de deserção e a segunda exclusão (Páramo e Correa, 1999, 1981). Por sua vez, a retirada voluntária pode ter diferentes conotações. Uma conotação negativa, geralmente associada ao termo desertor, o que implica que o aluno não tinha interesse ou compromisso suficiente com seu objetivo e, como resultado, ele abandona os estudos. Outro positivo, o que significa que o aluno recuou porque alcançou seu objetivo, o que pode ser diferente do institucional. Por exemplo, seu objetivo pode ser adquirir certas competências que são alcançadas com alguns créditos e não precisam culminar a corrida.Também pode ser cobrado que uma curta estadia em uma carreira ajuda o aluno a esclarecer sua visão do futuro e depois decidir tomar um caminho diferente; Nesse sentido, a retirada é positiva porque ajudará o aluno a atingir seu objetivo, que, como foi dito, pode ser convencional, mas não menos valioso. Quanto à exclusão, geralmente é relacionado a um aluno cujo objetivo é claro e insistido em alcançar, mas, apesar de todos os seus esforços, o sistema a rejeita. É expulso, geralmente devido à falta de adaptação acadêmica e / ou social (RED, 1987, 1997).

Com o tempo, os pesquisadores têm esclarecido essa ambigüidade conceitual. Na literatura americana e europeia, foi chamado de deserção ou abandono nas décadas da década de 1970. A partir dos anos noventa, o termo persistência era popular e recentemente retenção. Na América Latina, o termo mais comum tem sido deserção, em alguns casos, é lido, mais recentemente. Os termos deserção, abandono, persistência e permanência se concentram no aluno. Os dois primeiros têm conotação negativa, em contraste com os dois últimos. Da mesma forma, a retenção de termo é positiva e se concentra na responsabilidade do processo na instituição. A recente literatura anglo-saxônica geralmente fala de retenção, considera pragmática e eficaz para focar as soluções no campo onde realmente têm poder para influenciar e mudar, isto é, na organização.

No contexto deste trabalho, favorecemos os termos de retenção e persistência para nos referir ao fenômeno. Nesse sentido, a persistência de retenção é concebida como um fenômeno social complexo relacionado à capacidade da instituição de ensino e ao contexto familiar do aluno para adicionar vantagens, a fim de garantir sua liberdade fundamental para escolher a vida que tem razões para avaliar, nomeadamente, obter Seu objetivo educacional (Bourdieu e Passeron, 1964/2003, Sen, 2000, Tinto, 1997).

Sabemos que o uso de uma palavra ou outro implica um viés interpretativo que evoca uma hipótese particular. Você pode focar a causa na organização (retenção) ou no aluno (persistência). Essa circunstância, acrescentada ao fato do conhecimento escasso que temos do fenômeno em nosso contexto, torna difícil selecionar o prazo mais apropriado. No entanto, a persistência de retenção binomial será usada, como definimos nas linhas anteriores. Em negativo, os termos interrupção e cessação da corrida, acreditando que são palavras mais neutras que não atribuem responsabilidade explícita a ninguém (ao contrário de expulsão ou abandono). Solicitamos a flexibilidade do leitor a este respeito, pois é evidente que é uma concepção em construção. É importante esclarecer que, no decorrer da narrativa, o leitor tropeçará sobre as palavras deserção, exclusão, abandono e relacionadas. Essa ocorrência deve-se ao fato de que respeitamos os termos usados pelos autores que são relatados na revisão da literatura e no fundo.

Himmel (2002), propõe uma classificação de modelos usando como critério a ênfase dada às variáveis explicativas. É assim que uma taxonomia é obtida com as seguintes categorias: pessoal, familiar ou institucional, dos quais os modelos psicológicos, sociológicos, econômicos e organizacionais são derivados. Estes são modelos adicionados que combinam alguns dos itens acima e são geralmente conhecidos como integradores ou interacionistas.

Os Autores do Grupo Modelos Psicológicos, como Fishbein e Ajzen (1975) e IMethton (1990). À medida que os modelos psicológicos se concentram em atributos pessoais, como valores e crenças, que diferenciam os alunos que culminam seus estudos daqueles que não. Spady (1970) oferece um modelo com ênfase em fatores sociológicos, como suporte de pares.

As contribuições de Cabrera, Castañeda e Nora (1992) e Cabrera, Nora e Castañeda (1993) estão entre os que fizeram importantes contribuições para o estudo da persistência de retenção de uma perspectiva econômica e tomaram Diga a influência do apoio financeiro na retenção. Os modelos organizacionais enfatizam o papel da instituição no processo de persistência de retenção. Expoentes dessa abordagem são vermelhos (1975, 1987, 1997),

Bean (1982, 1985) e Pascarella e Terenzini (1991). Esses modelos sugerem que a qualidade das experiências acadêmicas e sociais é decisiva no compromisso e intenção do aluno.

O modelo vermelho (1997, veja o diagrama 1), que será explicado mais adiante, contempla cinco elementos que interagem no processo, a saber: os atributos antes da renda, metas e compromissos anteriores, institucionais Experiências, integração pessoal e regulamentar, esforço estudantil, resultados educacionais e objetivos e compromissos modificados pela experiência acadêmica e social dentro da instituição. Todos esses elementos interagem para adicionar vantagens ou desvantagens ao aluno, que pode fortalecer ou enfraquecer intenções, metas e compromissos adquiridos com a instituição. Se estes forem fortalecidos, o aluno perseverará.

A proposta Pascarella e Terenzini (1991) inclui variáveis pessoais como institucional, como Cabrera, Castañeda, Nora e Hegenster (1992 ) Procure integrar todos os fatores propostos pelos modelos anteriores e propor trânsito para o ensino superior como um processo que é desenvolvido em etapas devido ao impacto que diferentes fatores têm de acordo com o palco.

O modelo Vincent Tinto

A comunidade acadêmica que é dedicada a investigar este problema reconhece Vincent Tinto como precursor desta linha de pesquisa em todo o mundo e como o autor mais prolífico em relação à teórica e prática pesquisa. É o modelo de Tinto, proposto em 1975 e posteriormente sintonizado (1987 e 1997), que estabelece as diretrizes para discussões sobre o assunto. Nesse sentido, é um modelo muito discutido e amplamente informado que oferece várias vantagens para o pesquisador de rookie. Entre as vantagens está interessada em destacar dois, por um lado, é um modelo amadurecido que fornece confiança ao pesquisador, e por outro, há uma abundante literatura de fácil acesso, um fator que é muito importante levar em conta A situação orçamental que a universidade pública vive venezuelana no momento atual. É por estas razões que se considera enquadrar este trabalho no modelo vermelho (1997), e é mostrado no diagrama 1.

vermelho (1997) afirma que as características do indivíduo, bem como Sua integração social e acadêmica estão determinando fatores na decisão de perseverar ou desistir em sua carreira universitária; No entanto, é a interação entre o compromisso de que o aluno tenha adquirido para alcançar o objetivo e o compromisso com a instituição educacional, aqueles que determinam se um aluno persiste

O estudo realizado por Tinto e Russo (1993 ) e relatado pelo RED (1997) evidenciaram a relação entre a prática educacional e a persistência. O estudo envolveu 287 estudantes de Seattle Central Community College (SCCC), dos quais 121 pertenciam ao currículo coordenado (PEC) e 166 para o sistema de classe tradicional. O SCCC é uma instituição de ensino superior urbano e não residencial, com uma população estudantil muito heterogênea que tem múltiplos compromissos (incluindo parental e trabalho), além de educacional. O PEC é um programa projetado sob a filosofia das comunidades de aprendizagem, onde o currículo está entrelaçado, os professores compartilham a academia através de tópicos transversais, são aprendidos cooperativamente e participativos, e os alunos formam redes de aprendizagem social.

Este estudo (vermelho e russo, 1993) integra os resultados da análise quantitativa com os resultados da análise qualitativa para produzir um único conjunto de conclusões. O estudo quantitativo incluiu estatística descritiva, teste-z, análise de regressão, regressão logística e passo a passo. O estudo qualitativo incluiu observação direta, entrevistas face a face semiestruturadas, conversas informais, entrevistas por telefone e revisão de documentos. As entrevistas incluíram os alunos como professores e funcionários da faculdade.

Os resultados deste estudo mostraram que os alunos envolvidos no PEC tinham maior taxa de persistência do que os envolvidos nos programas tradicionais, e que as maiores variáveis influentes para a permanência foram: participando do PEC, média da nota, Horas de estudo semanal, envolvimento em atividades dentro da instituição e percepções que o aluno teve sobre o ambiente institucional. A participação do PEC acabou sendo o mais alto significado. Estes resultados são adicionados àqueles emanados pela análise qualitativa

, levados a RED (1997) a sugerir que a experiência pedagógica na sala de aula tem um artigo de decisão em permanência.

Tinto (1993, 1997, 2003, 2006, 2009) sugere que as probabilidades de permanência aumentam quando há um ambiente que envolva o aluno como um membro valioso da comunidade.A frequência e a qualidade de contato entre os diferentes membros da comunidade universitária (professores, funcionários) com o aluno é decisivo na persistência. Para Tinto (1997, 1998, 2003, 2006), a chave está no desenvolvimento de comunidades de aprendizagem e na construção de um ambiente colaborativo na sala de aula.

Outros estudos confirmaram as relações entre a instituição e o indivíduo. Por exemplo, alguns apontam que três dos elementos inerentes à instituição que afetam a permanência são: (a) flexibilidade curricular (

Ashe-Eric 2003, Ashe-Eric, 2004 Ashe, 2007, Barefoot, 2004, nobre et al, 2007-2008, van den Berg e Hofman, 2005); (b) flexibilidade de processos administrativos (Braxton, McKinney e Reynolds, 2006, Longden, 2006); e (c) infraestrutura integral de suporte e meio ambiente (feijão, 1985, biddle, banco e escravos, 1987, Saneen, 2004, Schimid e Abell, 2003).

Berger e Milem (1999) Estudos de evidência de que a integração é favorecida quando os valores, padrões e padrões de comportamento que o aluno se assemelham à das instituições, e quando os esforços e programas da instituição giram em torno do aluno recém-renda. Resultados semelhantes quebraram Darlaston-Jones, Cohen, Haund, Young and Drew (2003) investigações na Austrália, Van den Berg e Hoffman (2005) no contexto do ensino superior holandês e Longden (2006) na Grã-Bretanha.

Miller (2007) e Raush e Hamilton (2006) corroboram a importância da integração social e acadêmica, observou-se que as relações significativas estabelecidas entre professores e estudantes são decisivas na retenção e na persistência.

A proposta do Tinto (2006, 2009) pode ser resumida em cinco condições que promovem a retenção e a persistência: expectativas, suporte, feedback, envolvimento e aprendizagem. A probabilidade de que os alunos persistam aumentem quando percebem que a instituição espera que eles sejam bem-sucedidos. Da mesma forma, aquele que recebe influências acadêmicas, sociais e pessoais de apoio. Em terceiro lugar, os alunos tendem a perseverar quando estão imersos em ambientes onde recebem informações precoces e freqüentes sobre seu desempenho acadêmico. Além disso, os alunos que estão em ambientes envolvê-los como membros valiosos da instituição tendem a culminar sua carreira. Finalmente, aqueles que aprendem os alunos se formaram. Os alunos que estão ativamente envolvidos em sua aprendizagem, isto é, aqueles que investem mais tempo nas atividades de aprendizagem, particularmente se estes são colaborativos, são mais propensos a aprender e, portanto, obter o grau acadêmico.

Sabe-se que nenhum modelo pode abranger todos os casos e que todos os modelos têm vantagens e desvantagens. O modelo vermelho tem sido amplamente validado e usado como um quadro de inúmeros estudos, muitos dos quais corroboram as previsões do modelo, enquanto outros mostram resultados mistos (Pascarella e Chapman, 1983a, 1983b e Halpin, 1990). Os resultados mistos podem ser explicados, dado a complexidade do fenômeno, nesse sentido, espera-se que os resultados variam de acordo com o contexto e os assuntos em estudo.

Estudos na América Latina

Quanto aos fatores de maior influência no fenômeno de persistência de retenção, o panorama da América Latina pode ser resumido em: (a) Fatores familiares e demográficos associados elementos socioeconômicos, (b) problemas pessoais, emocionais ou de saúde; (c) fatores relacionados com a concorrência acadêmica, e (d) fatores vocacionais e motivacionais (Acosta (2009, Cinda, 2006, 2007, Cinterfor, 1994, Donósio e Schiefelbein, 2007, ensino superior, 2006, Figuero, 1993, Fontes, 2001, Geldstein, 2004; IESALC, 2005; López, 1983, Muñoz, 2004, Rojas e González, 2008; Schwartzman, 2004, Siteal, 2008; Valera, Sinha, Varela e Ponsot, 2009; Zúñiga, 2006).

Como história de pesquisa sobre o assunto ou relacionada, específica para a população da Universidade de Simón Bolívar, são os mestres de Pardo de Aguirre (1983) e o relatório de desempenho acadêmico da Las Cohortes 2007 e 2008, apresentado pela Comissão Técnica de admissão ao vice-reitor acadêmico (CTA-Dace, 2009). O pardo de Aguirre (1983) estuda um grupo de estudantes do núcleo universitário do litoral na Universidade de Simón Bolívar (Nul-USB) com o objetivo de resolver o problema de deserção.O autor projetado e aplicado um estudo pentehasic-longitudinal que produziu os seguintes resultados: (a) o aluno que matou no núcleo motivado pela curta duração do deserto da carreira em um número significativamente maior do que o aluno que não se inscreve Razão, isto é, o aluno deserta porque espera se formar em 3 anos e conclui que não pode alcançá-lo, (b) o aluno que a merece independentemente de seus recursos econômicos, (c) alunos que defeitam percebem uma pressão para carreiras propício para bacharel ou equivalente em uma proporção significativamente maior do que aqueles que não são retirados.

O relatório de desempenho acadêmico das coortes de 2007 e 2008, apresentado pela Comissão de Admissão Técnica antes do vice-reitor acadêmico (CTA-Dace, 2009), mostra que: (a) alunos com melhor desempenho acadêmico e A maior taxa de persistência são aquelas que entram via teste de admissão, (b) estudantes que entram no CIU se comportam de uma maneira semelhante àquelas que entram por meio de teste de admissão, (c) os alunos que entram via Opsu realizam muito abaixo dos dois grupos anteriores, a porcentagem de estudantes que permanecem inativos pelo regime de permanência é muito maior nesse grupo do que nos outros dois, então, aqueles que conseguem persistir são realizados em média com os outros. Isso em termos de longas raças, no caso de raças curtas, essas diferenças são encurtadas e até mesmo, a tendência pode ser inversa. Esses achados sugerem que o regime de permanência da faculdade é o fator determinante da retenção.

Os parágrafos anteriores serviram para capturar a visão geral dos estudos que em retenção e persistência do aluno foram realizadas nos últimos tempos. Os dados encontrados na pesquisa revelaram que o modelo vermelho (1975, 1987, 1993, 1997) é a maior influência na arena internacional. Da mesma forma, verificou-se que duas variáveis do modelo vermelho, da integração acadêmica e social estão intimamente ligadas à questão da persistência e há provas empíricas abundantes que sustentam essas relações. Quanto à América Latina, verificou-se que as variáveis associadas aos fatores socioeconômicos parecem exercer maior influência do que a previsão do modelo do Tinto. No entanto, o caso da Universidade Simón Bolívar parece desafiar os dados latino-americanos, uma vez que o desempenho acadêmico é apresentado como fator decisivo de permanência. Esses achados sugerem a necessidade de aprofundar o estudo desse problema, conforme apresentado em nossa região, com a intenção de construir modelos que nos ajudam a entendê-lo a gerar princípios e diretrizes que nos permitem projetar intervenções assertivas, levando a melhorar a eficácia da Universidade de Simón Bolívar . Esperamos que este trabalho seja uma contribuição útil para a realização desse objetivo.

Método

Hipótese de pesquisa. As hipóteses de trabalho que foram propostas com base no fundo da região foram os seguintes: (a) Os fatores associados à intenção do aluno retirar o trimestre são de um pessoal, familiar e acadêmico; (b) Não há relação entre as razões para retirar o trimestre e o ano, a condição de carreira e bolsa, e (c) de 2004 a 2008, os fatores mais frequentes são membros socioeconômicos da família.

unidade de estudo. A Unidade de Estudos são estudantes de longa corrida, sede Sartenejas na Universidade de Simón Bolívar, que solicitaram retirar o trimestre antes da Direcção de Desenvolvimento dos Alunos (CIDE), de janeiro de 2004 a dezembro de 2008. O total de pedidos registrados pelo Dide do Assistente Administrativo foi de 1639, distribuiu Como segue por ano: 269, 2004, 261, 2005, 308, 2007, 2007 e 391, 2008.

Variável. As variáveis consideradas no presente estudo são: intenção de remoção de trimestre, ano, carreira, status de bolsas e fatores associados à intenção do aluno retirar o trimestre. A Tabela 1 mostra a definição das variáveis:

tipo de estudo.

De acordo com a classificação de Hernández-Sampieri, Fernández-Collado e Batista-Lucio (2003), o presente surge como um escopo não experimental, de campo, descritivo. Não experimental, enquanto o pesquisador não manipula as variáveis. De campo, enquanto os dados vêm do ambiente natural onde ocorrem os fatos. Descritivo como seu objetivo é caracterizar uma situação. Mesmo quando este estudo usa dados qualitativos, ele é enquadrado sob a abordagem quantitativa, portanto usa estatísticas para analisar os dados.Neste caso, freqüências, tabelas de contingência e índices de associação são usados. Os dados qualitativos foram tratados como uma variável categórica com a medição nominal para processá-la estatisticamente.

Design de pesquisa.

Para o desenvolvimento do estudo, foram utilizados dois desenhos não experimentais: um transversal (ou transversal) e outro longitudinal (Henández-Sampieri, et al, 2003). Para começar, um design transversal foi usado para descrever a intenção de aposentadoria do trimestre no lapso de 2004-2008. Este design é composto por: (a) Descrição da intenção de renda de um trimestre, dependendo da raça e do estado de bolsa; (b) descrição dos fatores associados à intenção de aposentadoria de um quarto para o período; (c) descrição dos fatores associados à intenção de aposentadoria de um quarto de acordo com a carreira e o status de bolsas de estudo; (d) Descrição da associação entre as variáveis dos fatores para retirar o trimestre com a carreira e o status de bolsas de estudo.

Em seguida, um desenho de tendência longitudinal foi usado para analisar as mudanças da intenção de fenômeno da aposentadoria do trimestre, de 2004 a 2008 por ano. Este projeto contemplou o seguinte: (a) Descrição da intenção de aposentadoria do trimestre, dependendo do ano, a raça e o status da bolsa de estudos; (b) descrição dos fatores associados à intenção de aposentadoria do trimestre para cada ano; (c) descrição dos fatores associados à intenção de aposentadoria para cada ano de acordo com a carreira e o status de bolsas de estudo; e (d) Descrição da associação entre as variáveis de fatores para retirar o trimestre, a condição de raça e bolsa, para cada ano.

instrumentos. Os dados desta pesquisa são provenientes das duas entidades da Universidade de Simón Bolívar: a Direcção de Desenvolvimento Estudantil (Cide) e a Admissão e Controle de Estudos (DACE). Os dados do primeiro vêm de uma plataforma que os alunos preenchem como precisam desse requisito antes de executar sua decisão em Dace. Detalhes deste processo são descritos na próxima seção. Dados de Dace

foram fornecidos em formato digital diretamente pela coordenação da informação da referida entidade.

Procedimento. Para a coleta dos dados, foi utilizada a técnica de análise de documentos, que consistiu de aumentar as informações obtidas da Direcção de Desenvolvimento dos Estudantes (DIDE) e a admissão e controle de estudos (DACE) da Universidade Simón Bolívar em uma base de dados. Em seguida, a análise estatística desses dados foi realizada usando um pedido de análise estatística nas ciências sociais, pacote estatístico para as ciências sociais (SPSS).

Vale ressaltar que os dados que o formulário de dide contém é qualitativo e consiste em linhas escritas nas quais o aluno descreve suas razões. As informações sobre as folhas foram gravadas em formato digital pelo assistente de endereço de dide. Para processar esses dados quantitativamente, foi realizado o seguinte procedimento: (a) leitura dos textos, (b) análise dos textos para obter categorias nominais, (c) design de categorias, (d) classificação de textos, (e) Triangulação de etapas (a) e (b) para refinar categorias e classificação (F) categorização final, (g) processamento do texto como dados nominais. A triangulação foi realizada comparando os dados nominais gerados pelo pesquisador de duas vias: (a) por meio de pares2, que classificou uma amostra de textos escolhidos aleatórios e ofereceu observações sobre as mudanças que a matriz original tinha que sofrer, e (B ) Comparando as categorias nominais e os resultados com as informações que a seção de orientação do DIDE facilitou o pesquisador. Observe que esses procedimentos foram enriquecidos com entrevistas realizadas para o Dr. Beatriz Girón, ex-diretor do Dide, e Lic. Ivan Trujillo, coordenador atual da seção de orientação. As informações obtidas por meio dessas entrevistas foram muito úteis para refinar o procedimento.

O aluno que deseja retirar o trimestre precisa para obter uma série de licenças e autorizações antes de formalizar o processo antes da Direção de Admissão e Controle (DACE). Uma garantia é necessária da Direcção de Desenvolvimento do Estudante (DIDE) que deve ser assinada por: a seção de orientação, a seção de bem-estar social e a seção de saúde. O aluno visa o ponto e solicita o formulário em questão, o completo, coleta as assinaturas e endereça a Dace para formalizar sua aposentadoria. A forma que o aluno completo tem duas partes: (a) a primeira folha, que tem informações sobre o aluno, uma razão que alude e as assinaturas, é aquela que ele leva a Dace e a que o endereço dos registros de dide. digitalmente e arquivos (este é os dados principais que este estudo usou).A segunda parte é chamada de “Formulário de Controle Interno” e permanece na seção de orientação. Esses dados são registrados digitalmente pelo secretário de orientação e foi aquele que usamos as categorias e os resultados para triangular.

análise de dados. Os registros que o endereço do dide fornecido fornecem informações sobre: A data, o cartão do aluno, a carreira, as razões para a aposentadoria e o status da bolsa de estudos. Sendo que as variáveis em estudo, nomeadamente, carreira, carreira, condição acadêmica e razões para a aposentadoria, são variáveis categóricas nominalmente, foi escolhido seguir o Conselho de Kerlinger e Lee (2002, p.212), nomeadamente: (a) Frequências e percentagens para análise descritiva; (B) tabelas de contingência para descrever a associação. Para a interpretação das tabelas de contingência: (a) calcular o qui-quadrado para determinar a significância das estatísticas; (b) calcular o V do Cramer para determinar a força da associação; e (c) calcular as porcentagens para mostrar a probabilidade proporcional. Os dados foram interpretados usando todas as informações do teste de significância estatística, o índice de associação e as porcentagens. Em seguida, esta interpretação foi discutida em comparação e contraste com a literatura.

Limitações. Entre as limitações enfrentadas no estudo, devem ser destacadas: (a) limitação metodológica gerando as categorias nominais e a classificação subsequente; Essa limitação é derivada das conseqüências do elemento subjetivo na interpretação dos textos que os alunos escreviam para expor suas razões, (d) os registros de dados são feitos manualmente pelo pessoal do Dide, que adiciona uma margem de erro ao processar. Este erro pode ser minimizado se um processo for implementado para validar as generalizações TEPEO e (c) aplicáveis apenas aos alunos em questão, o que limita o potencial teórico do trabalho.

Resultados

para fins desta publicação, os resultados são apresentados na forma de um resumo. Os achados deste estudo sugerem que a intenção de retirar o trimestre é um fenômeno que aumenta de 2004 a 2008, observando um aumento de 45,48% em 2008 em relação a 2004, mesmo quando o registro aumentou apenas 7, 3% nesse período ( USB, 2008A, p.23 e 18). Durante o lapso, 1639 pedidos de remoção foram registrados, equivalentes a 1,79% da matrícula total. A carreira de engenharia de material relata o maior número de intenções de retirada (17,2%) e urbanismo la menor (1,6%). Os estudantes de bolsa que retiram trimester eram 165, enquanto os não-bolsas de estudo foram 1474, respetivamente representando 1,8 e 1,78% da matrícula total para o período, que sugere que, proporcionalmente, não há grande diferença entre os estábulos dos alunos que retornam trist e Setores.

O motivo acadêmico é o fator mais frequente na intenção de aposentadoria do trimestre. De acordo com os dados, há uma probabilidade proporcional a 55% de cair nesta categoria; Em termos mais específicos, há 41,5% da probabilidade proporcional de remover o trimestre por motivos de desempenho. O segundo fator é o de razões pessoais com uma probabilidade proporcional a 20%, enquanto a probabilidade proporcional de retirar o trimestre por razões econômicas é de apenas 2,29%.

Quanto aos carreiras, os estudantes de engenharia de materiais são a probabilidade mais proporcional (17,2%) da retirada do trimestre, enquanto os do urbanismo têm o mínimo (1,6%), e a maioria dos retiros de engenharia de material é devido a motivos (59,2%). Os alunos do ciclo básico são a maior probabilidade proporcional de retirar o trimestre por razões acadêmicas (66,7%), enquanto as da arquitetura têm o mínimo. A arquitetura é a única carreira onde os motivos acadêmicos não são os protagonistas, são as razões pessoais, isto é, um estudante de arquitetura tem uma probabilidade proporcional de 46,2% de retirar o trimestre por motivos pessoais, enquanto o Bacharel em Física tem a menor probabilidade (13,3%). Os estudantes da arquitetura são mais propensos a retirar por razões econômicas (17%), enquanto aquelas no ciclo básico têm o mínimo (2,2%).

A relação entre os fatores associados à retirada do trimestre e a raça é muito fraca, sugerindo que a raça tem muito pouca influência sobre as razões, por exemplo, os estudantes de engenharia materiais provavelmente têm as mesmas razões que os colegas de outros Carreiras.Os fatores associados à aposentadoria do trimestre não estão relacionados à condição de bolsa, que sugere que os alunos que desfrutam de uma bolsa de estudos provavelmente retirarão o trimestre pelas mesmas razões que aqueles que não apreciam esse benefício.

Finalmente, o fato de que o grau de carreira em hospitalidade não tem registros de solicitação de aposentadoria, talvez devido ao recentemente de sua abertura e provavelmente os alunos que aspirem a tomar ainda estão no ciclo básico. Essa carreira relata apenas 9 inscritos em 2007, embora tenha sido oferecido desde 2004 (USB, 2008A, P.11)

Os resultados da evidência de estudo longitudinal de que o ano com o maior número de retiradas foi a 2007 , com um aumento de 52,4% em relação ao ano de 2004, mesmo quando o registro foi um pouco menor. Em linhas posteriores, uma possível explicação é oferecida a essa ocorrência.

Com relação aos fatores associados à intenção de aposentadoria do trimestre e ano, 2008 relata a maior probabilidade proporcional de retiradas por razões acadêmicas (67,3%), enquanto 2006 relata a menor (49,7%). Em relação às retiradas por razões pessoais, 2004 relata a maior probabilidade proporcional (28,6%), enquanto 2008 relatam o mínimo (20,5%). Em relação às razões econômicas, 2005 tem a maior probabilidade proporcional (13%), enquanto 2008 tem o mínimo (5,6%). 2007 é o único ano em que outras razões relacionadas à situação no país são relatadas.

Os resultados da análise sugerem que a relação entre os fatores associados à retirada do trimestre e o ano é quase nula, isto é, independentemente do ano, os alunos solicitarão a aposentadoria do trimestre para mais ou menos razões semelhantes.

No que se refere aos resultados de 2004, observou-se que a corrida com mais solicitações de retirada é a engenharia material (20,4%) e a com urbanismo (2,2%). Em relação às razões e carreiras, o ciclo básico relata a maior probabilidade proporcional (71,4%) de retirada de trimários por motivos acadêmicos e graduação de química (33,3%); Engenharia eletrônica relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões pessoais (42,9%) como geofísica relata o menor (0%); A arquitetura relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões econômicas (21,4%), enquanto o ciclo básico reporta o menor (0%). Em relação às razões para retirar o trimestre e o status de bolsa, o domínio dos fatores acadêmicos é observado. A análise estatística sugere que os fatores associados à intenção de retirar o trimestre não estão relacionados à raça ou ao estado de bolsas.

Em 2005, observou-se que a corrida com mais solicitações de retirada é a engenharia material (18,8%) e a com urbanismo (1,5%). Em relação às razões e carreiras, o ciclo básico relata a maior probabilidade proporcional (77,8%) de retirada de trimários por razões acadêmicas e a pequena arquitetura (25%); Engenharia química e arquitetura relatam a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões pessoais (50%), enquanto o ciclo básico relata o menor (11,1%); Engenharia eletrônica relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões econômicas (33,3%), desde que o ciclo básico e o urbanismo relatem o mínimo (0%). Em relação às razões para retirar o trimestre e o status da bolsa, o domínio dos fatores acadêmicos é observado em proporções muito semelhantes. A análise estatística sugere que os fatores associados à intenção de retirar o trimestre não estão relacionados à raça ou ao estado de bolsas.

Os resultados do ano 2006 mostram que a carreira com mais pedidos de redefinição é a engenharia de materiais (16,2%) e as de menor são arquitetura e urbanismo (1,3%). Quanto às razões e carreiras, o ciclo básico relata a maior probabilidade proporcional (80%) de retirada triminante por razões acadêmicas e urbanismo o menor (0%); A arquitetura relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões pessoais (50%) como um diploma de bacharel em física relata o mínimo (9,1%); O urbanismo relata a maior probabilidade proporcional de retirar trimário por razões econômicas (50%), desde que o ciclo básico, a biologia e a arquitetura relatem menos (0%). Em relação às razões para retirar o trimestre e o status de bolsa, o domínio dos fatores acadêmicos é observado. A análise estatística sugere que os fatores associados à intenção de retirar o trimestre mantêm um relacionamento fraco com a corrida, enquanto é independente em seu relacionamento com o status do colega.

Quanto a 2007, observa-se que a carreira com mais pedidos de redefinição é engenharia material (16,9%) e a sob o urbanismo (1,7%).Em termos de razões e carreiras, o urbanismo relata a maior probabilidade proporcional (71,4%) de retirada triminante por razões acadêmicas e a pequena arquitetura (11,1%); Relatório de arquitetura A probabilidade proporcional da retirada de trimester por razões pessoais (77,8%) como biologia relata os menores (10%); Engenharia elétrica relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões econômicas (21,1%) como engenharia eletrônica, engenharia geofísica e o urbanismo relatam o menor (0%). Em relação às razões para retirar o trimestre e o status de bolsa, o domínio dos fatores acadêmicos é observado. A análise estatística sugere que os fatores associados à intenção de retirar o trimestre não estão relacionados à raça ou ao estado de bolsas.

O ano de 2008 mostra que a corrida com mais solicitações de retirada é engenharia material (15,1%) e aquela com urbanismo (1,5%). Em relação às razões e raças, a engenharia de computação relata a maior probabilidade proporcional (82,4%) de retirar trimário por razões acadêmicas (o mais alto de todo o período) e a arquitetura menos (25%); Bacharel de Química relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões pessoais (36,4%), enquanto o ciclo básico relata o menor (11%); A arquitetura relata a maior probabilidade proporcional de retirar triminante por razões econômicas (25%) enquanto engenharia, geofísica e urbanismo relatam o menor (0%). Em relação às razões para retirar o trimestre e o status de bolsa, o domínio dos fatores acadêmicos é observado. A análise estatística sugere que os fatores associados à intenção de retirar o trimestre não estão relacionados à raça ou ao estado de bolsas.

Em geral, os resultados sugerem, para o período e a unidade de estudo em questão, que os fatores associados à intenção do aluno retiraram o trimestre são, por ordem de frequência: acadêmicos, pessoal , Econômico e familiar, independentemente do ano, a carreira ou o status. Quase metade das intenções de aposentadoria são devidas ao fator acadêmico relacionado ao desempenho / índice, seguido por razões pessoais, principalmente saúde, escassez de finanças e conflitos vocacionais. Os dados sugerem que esta tendência foi mantida com muito pouca variação, de 2004 a 2008.

Em relação às corridas e a aposentadoria do trimestre, os seguintes aspectos são destacados: (a) a raça que ele experimentou Um maior número de retiradas é uma engenharia material e prevalece o motivo acadêmico; (b) O ciclo básico evidencia a maior porcentagem de retiradas por razões acadêmicas; (c) a arquitetura se destaca por ser a única carreira onde os motivos pessoais superam os acadêmicos, mas é aquele que é a maior probabilidade proporcional de retiradas por razões econômicas; (d) O urbanismo se destaca pela sua retenção, e (e) engenharia se comportar bastante homogêneo, note que o máximo e os mínimos de probabilidades proporcionais são freqüentemente atribuídos a raças diferentes da engenharia. A prevalência de razões acadêmicas exige uma reflexão na orientação pedagógica e profissional, enquanto informações sobre retiradas por razões pessoais e econômicas desperta interesse em estudantes arquitetônicos, que podem precisar de mais apoio a partir dos quais geralmente solicitam. A retenção de realçar o urbanismo, talvez vale a pena explorar os pontos fortes desta raça e tentando aplicá-los nos outros. A homogeneidade de engenharia contrasta com o que está acontecendo em engenharia material, este fenômeno é digno de estudo sobre o Pensum, a dinâmica pedagógica da sala de aula, e o perfil do aluno que entra, incluindo seu perfil vocacional.

Outros dados significativos sobre as carreiras foram os 66 casos de retiradas do ciclo básico no trimestre de janeiro a março de 2008. Como foi observado anteriormente, os anos com o maior número de retiradas são 2007 e 2008 , este último se destaca por experimentar o maior número de retiradas devido ao desempenho / índice. A diferença mais significativa entre esses dois anos e as anteriores reside nisso, pela primeira vez, o USB recebeu os alunos atribuídos diretamente pelo escritório para o planejamento do setor universitário (OPSU).

O relatório da Comissão de Admissão Técnica (CTA-Dace, 2009) relata que o desempenho desse grupo foi significativamente mais deficiente do que aqueles que entraram regularmente ou aqueles que entraram através do ciclo de iniciação universitária (CIU), O que sugere que a competição acadêmica de entrada é decisiva no desempenho acadêmico e, portanto, na persistência de retenção.Em outra linha de pensamento, esta descoberta também poderia mostrar os efeitos de uma participação comprometida desses alunos na campanha que liderou o movimento estudantil contra a aprovação da reforma constitucional durante o trimestre – dezembro de 2007. isto é, mesmo quando os alunos Alude a razões acadêmicas, a razão de fundo pode estar relacionada à situação sociopolítica que está sendo vivida em nosso país.

Discussão

A discussão dos resultados foi construída em dois elementos: primeiro, essas descobertas são comparadas com os antecedentes mencionados no quadro de referência. Em seguida, os resultados são interpretados à luz da teoria medular de nosso referencial teórico, o modelo Vincent Tinto (1997).

Observamos que a intenção de retirar o trimestre é praticamente sinônimo da remoção

em si, uma vez que os alunos que expressam esse desejo geralmente executam sua decisão. Da mesma forma, temos limitado que a retirada do trimestre não é equivalente ao fenômeno tradicionalmente conhecido como deserção, mas definimos, até o final deste estudo, como uma expressão do processo de persistência de retenção. No entanto, sabemos que o único recurso administrativo que um aluno USB tem de se retirar da universidade oficialmente é a aposentadoria do trimestre, isso implica que, por ocasião, retirada o trimestre é equivalente a se retirar da universidade.

Retiro do trimestre, como suspensão ou recesso temporário, também pode ser interpretado como um acidente na carreira universitária do aluno, que pode abrigar consequências negativas e positivas. Essas características indicam que devemos usar a literatura sobre o assunto com cautela. Em relação ao fundo, observamos similaridade entre os nossos resultados e a das investigações de Berger e Milem (1999), Darlaston-Jones,

et al (2003), Longden (2006), Raush e Hamilton (2006), Rivas (2002), Rojas e González (2008), pardo de Aguirre (1983), Valera et al (2009), e Van den Berg e Hoffman (2005), no sentido de que, nesses estudos, a integração acadêmica foi revelada e social como decisivo para a persistência de retenção. Observe que o primeiro foi realizado no USB para o núcleo da costa, indicando que a tendência parece ser a mesma no presente. O seguinte, realizado em uma Universidade Privada de Caracas, parece indicar características comuns entre as instituições USB e privadas, enquanto esta última, realizada na Universidade de Los Andes, homólogos essas duas instituições. O estudo de Rojas e González (2008) foi realizado na Colômbia e os outros estudos foram realizados em países desenvolvidos que sugerem que a USB compartilha traços com instituições que operam nesses contextos. Há também semelhança entre os resultados do presente estudo e as descobertas de Acosta (2009), em que fatores pessoais têm o protagonismo.

Em contraste, observamos diferenças entre os achados lançados pelo presente estudo e os encontrados por Cinda (2006), Cinterfor (1994), Donoso e Schiefelbein (2007), Educação superior (2006), Figurero (1993), Fontes. (2001), López (1983), Muñoz (2004), Schwartzman (2004) e Zúñiga (2006). Todos esses estudos mostram o fator socioeconômico como definitivo para a persistência de retenção no ensino superior no contexto latino-americano. Os primeiros cinco foram realizados em instituições venezuelanas oficiais, sugerindo que o USB, mesmo quando é oficial, não parece seguir o empregador da maioria das universidades nacionais públicas. Os seguintes estudos foram realizados em universidades oficiais e públicas de alguns países da América Latina, incluindo, em alguns casos, a Venezuela, seus resultados indicam que algumas universidades públicas venezuelanas seguem o patrono de outros latino-americanos, não o USB.

Em resumo, o fenômeno de retiro do trimestre na Universidade de Simón Bolívar parece salvar semelhanças e diferenças com a pesquisa de persistência de retenção em outras instituições. É de um interesse especial notar que o fator socioeconômico é decisivo na persistência-retenção para a América Latina em geral, não para o USB em particular, o que nos leva a inferir que a natureza característica do USB, tão parecida com a das universidades de Países desenvolvidos, determina a dinâmica do fenômeno em questão. Acreditamos que esta natureza é principalmente devido à forma como a instituição foi gerada: Universidade Tecnológica, com preconceito com a pesquisa e a demanda acadêmica superior à média nacional. Os resultados deste estudo, no diálogo com a literatura, parecem indicar que os genes desta casa do currículo permanecem os mesmos e que continuam a determinar seu caráter e se tornando: a predominância do acadêmico esperado inquestionável.

O modelo vermelho (1997) é útil para explicar o fenômeno de retirada do trimestre na Universidade de Simón Bolívar, entre outras razões porque foi gerado para explicar o problema no contexto de um país desenvolvido, e o USB foi semelhante às instituições dessa nuance. Primeiro, o modelo prevê a integração acadêmica como um fator determinante na persistência de retenção. De acordo com os resultados do presente, o fator da maior influência é os acadêmicos, especificamente relacionados ao desempenho / índice, essa evidência que a integração do sistema acadêmico USB é decisiva em ficar, os alunos conhecem e intervêm ativamente no movimento desse agente. tentando localizá-lo em favor da persistência. A universidade também evidencia que favorece esse fator no exercício de ênfase no regime de permanência, nesse sentido, a instituição utiliza este sistema para intervir em retenção, ajudando o aluno a atingir o nível necessário para aprovar.

Segundo, o modelo vermelho (1997) prevê a integração social como outro fator decisivo para a realização da carreira universitária. As descobertas do estudo mostraram o elemento pessoal como um segundo grande fator, com suas manifestações específicas de saúde e problemas pessoais genéricos. Sabemos que o componente pessoal, em suas manifestações de equilíbrio ou desequilíbrio (COON, 1999) está ligado ao feliz nascimento e desenvolvimento de relacionamentos interpessoais. Os problemas na área pessoal podem ser uma ameaça para a integração social e comprometimento do aluno com seus objetivos e com a instituição. Desta forma, podemos explicar o fator pessoal que lançou a presente investigação, como um elemento relacionado à integração social previsto pelo modelo vermelho; No entanto, é um ponto de rigor esclarecer que a integração social em sua definição estrita, não foi explicitamente evidenciada como um fator predominante na intenção de aposentadoria do trimestre.

terceiro, vermelho (1997) afirma que além da integração social e acadêmica a força para culminar a raça emana principalmente da convicção e comprometimento que o aluno tem com seu objetivo. Nesse sentido, adiciona o autor, a conotação positiva ou negativa de interromper a raça é relativa à realização do objetivo. Por exemplo, se o aluno interromper seus estudos para cuidar de seu índice, porque, caso contrário, sua cota na universidade é ameaçada, então fazer um parêntese favorece a persistência de retenção. Da mesma forma, se o aluno se aposentar no trimestre para ir para outra universidade, onde ele vai estudar o que ele realmente é apaixonado, então saindo do USB favora a conquista do grau acadêmico (o objetivo). Da mesma forma, se o aluno tiver como objetivo imediato para satisfazer suas necessidades econômicas, então pare de estudar para poder trabalhar é positivo; Embora muitos possam questionar o efeito dessa decisão a longo prazo, o modelo prevê que se o objetivo de estudar uma carreira universitária persistir no jovem, então, eventualmente, irá mover as peças necessárias para que isso aconteça. Sem dúvida, retirando o trimestre por trás da realização do grau acadêmico, e às vezes presura o abandono permanente, o que pode levar a interpretar essa ação em termos negativos; No entanto, nossas descobertas apóiam a premissa de que, na maioria das vezes, os alunos retiram o trimestre, porque querem alcançar seus objetivos, seja para permanecer no USB, auto-desempenho vocacional em outra instituição, ou alcançar a solvência econômica.

O modelo vermelho (1997) é amplo o suficiente para explicar os fatores associados à intenção de aposentadoria do trimestre, em particular a predominância do acadêmico. No entanto, é importante marcar que outros modelos explicam melhor os outros fatores que o estudo mostrou, a saber: pessoal, familiar e econômico. Os elementos de natureza pessoal e familiar são explicados melhor pelas teorias de Iethton (1990), Fishbein e Ajzen (1975) e Spady (1970); Embora a questão da finança seja melhor explicada pelas propostas de Bean (1985) e Cabrera

et al (1992).

Nesse sentido, que os alunos interpretados como problemas pessoais podem estar relacionados a suas crenças, valores, autoconceito e nível de aspirações, que influenciam a força da intenção de persistir (Fishbein e Ajzen, 1975). Enquanto os problemas da família podem ser interpretados como estímulo e apoio familiar (Ostom, 1990) que influenciam o nível de aspirações, no autoconceito, e na percepção da dificuldade dos estudos que o aluno tem, para então ser determinantes no valores e expectativas de sucesso que definirão a decisão de persistência.Além disso, Spady (1970) destaca o papel protagonista da família em treinamento anterior, bem como no andaimes que o aluno precisa durante a corrida. Finalmente, a questão de financiamento está incluída no modelo de feijão (1985) e Cabrera

et al (1992), como fator ambiental que influencia os fatores de socialização, desempenho universitário, adaptação e comprometimento institucional, que por sua vez, a decisão de persistir ou retirar.

Embora seja verdade que tudo antes de dizer contém elementos verdadeiros, é perturbador o fato de que o USB se manifesta como diferente do resto das universidades latino-americanas em relação à predominância do fator acadêmico, e que o modelo vermelho (1997 ) é tão propício. Nós nos avançamos a sugerir, entre outras coisas, que por trás da predominância da variável acadêmica pode muito bem esconder elementos da ordem socioeconômica. Primeiro, os resultados revelaram que um número insignificante de colegas retiram o trimestre. De acordo com Dide, a população de USB é de aproximadamente 10% da graduação, isto é, muito poucos estudantes mostram sua necessidade econômica, solicitando ajuda, embora sabemos, por testemunho do pessoal do Centro, que esse número poderia ser muito maior se Os meninos ousam, e que muitos escondem seu problema ao se registrar como um motivo pessoal em vez de econômico. Esses jovens perdem o benefício se retiram o trimestre, o que poderia explicar o número magro de colegas que são relatados e também o fato de que a razão socioeconômica não é uma das principais.

Por outro lado, por trás de toda a falha acadêmica no ensino superior, há uma formação preliminar (formação educacional), que é marcada por três elementos-chave: (a) o ambiente cultural que predomina em casa, b) O ambiente cultural do contexto social, e (c)

o tipo de instituição de mídia que é seguida (público ou privado). Esses fatores variam entre os alunos de acordo com a classe socioeconômica à qual pertencem (Bourdieu e Passeron, 2003). Ou seja, a origem socioeconômica dos alunos afeta seu desempenho acadêmico. Dada esta premissa, pode-se sugerir que, na Universidade Simón Bolívar, o fator socioeconômico poderia ter maior influência do que na aparência mostram os resultados do presente estudo.

Conclusões

Dos achados deste estudo, é deduzido que a intenção de retirar o trimestre é um fenômeno que tenha vindo subida de 2004 a 2008, observando um aumento de 45,48% Em 2008, em comparação com 2004, mesmo quando a inscrição só aumentou 7,3% nesse período. As solicitações de remoção do trimestre representam 1,79% da inscrição para o período. A carreira de engenharia de material relata o maior número de intenções de aposentadoria e planejamento urbano. Proporcionalmente, o número de estudantes de bolsas que retiram o trimestre é equivalente ao dos não-bolsas.

Quanto aos fatores associados à intenção do aluno retirar o trimestre, observaram, por ordem de frequência: acadêmicos, pessoais, econômicos e familiares, independentemente do ano, a corrida ou o status da bolsa de estudos. Quase metade das intenções de aposentadoria são devidas ao fator acadêmico relacionado ao desempenho / índice, seguido por razões pessoais, principalmente saúde, escassez de finanças e conflitos vocacionais.

Os dados sugerem uma tendência que foi mantida a partir de 2004 a 2008. Esta tendência é caracterizada por cinco principais características: (a) O número de solicitações para remover o trimestre é a subida; (b) A carreira de engenharia material relata o maior número de intenções de aposentadoria e planejamento urbano; (c) O número de alunos que se retiram é proporcionalmente igual ao de não-bolsas de estudo; (d) O fator acadêmico associado ao desempenho é a principal razão expressa pelos alunos, mesmo quando são estudiosos; (e) Em termos gerais, os fatores associados à intenção de retirar o trimestre são independentes do ano, a carreira e o status de bolsas de estudo; Em 2006 é o único ano em que houve uma relação entre os fatores e a raça, que acabou por ser muito baixa.

Observe que as três hipóteses de trabalho aumentaram, duas acabadas por serem verdadeiras: (a) os fatores associados à intenção do aluno de retirar o trimestre são de um pessoal, familiar e acadêmicos, (B) e Não há relação entre as razões para retirar o trimestre e o ano, a carreira e a bolsa de estudos. No entanto, os resultados não suportam a hipótese da prevalência de fatores familiares socioeconômicos na tendência do período.

El análisis de los datos sugiere que, cerca de la mitad de los estudiantes desean retirar el trimestre por razones académicas, lo cual podría interpretarse como un recurso que los estudiantes usan cuando perciben que su permanencia en la USB está em risco. A retirada do trimestre permite que eles mantenham seu índice acadêmico, caso contrário, isso os faria cair no período experimental e, eventualmente, perderia sua cota na universidade, pela execução do regime de

permanência. Em outras palavras, para alguns alunos USB, retirando o trimestre é uma estratégia que permite permanecer na instituição e, assim, atingir seu objetivo de obter um diploma de graduação. Deve-se notar que, durante o período em questão, os estudantes que retiram o trimestre representavam apenas 1,79% da matrícula, que poderia ser considerada uma porcentagem baixa em relação à média média latino-americana (50%) e a média de retenção do USB (59%). Isso sugere que a maioria dos alunos USB geralmente não remove os trimestres.

Entre as considerações mais importantes deste estudo, o fato de que o comportamento da Universidade de Simón Bolivar é semelhante à das instituições de países desenvolvidas, onde a integração acadêmica predomina como um fator determinante de permanência. Em contraste com as instituições latinas, onde o fator socioeconômico surge como protagonista. Também dissemos que isso pode ser tão apenas na aparência e que os fatores socioeconômicos relacionados à história cultural do aluno podem ser escondidos sob o disfarce de um problema de desempenho acadêmico.

A porcentagem de alunos que retiram o trimestre é baixa, indicando que a maioria dos alunos encontra ferramentas suficientes na instituição para continuar sua carreira sem interrupções (o regime de permanência é uma dessas ferramentas). Além disso, os resultados revelaram que, no caso do USB, retirando o trimestre é uma estratégia para permanecer. Este fato é significativo, uma vez que a aposentadoria do trimestre, como uma suspensão temporária da raça, é geralmente considerada um ataque contra a retenção; No entanto, para a população em questão, serve como um salva-vidas.

Vale ressaltar que o estudo considera apenas uma instância do fenômeno de persistência de retenção e uma porção muito pequena da população universitária venezuelana, então as conclusões e inferências são subscritas nessa delimitação. É assim que, longe de querer estabelecer generalizações, a contribuição mais significativa deste estudo é incentivar o pensamento e a pesquisa na área, bem como propondo elementos para a construção de um modelo de retenção estudantil que contribui para a compreensão do fenômeno em nosso contexto.

1 Os dados da Universidade de Simón Bolívar que correspondem à inscrição, tempo de graduação, taxa de graduação bruta e orçamento foram retirados do Boletim Estatístico USB 2004-2008 ( USB, 2008A) e o relatório trimestral sobre a marcha da universidade, outubro-dezembro de 2008 (USB, 2008b). Em relação ao orçamento de alocação em questão, apenas o orçamento alocado para dois programas está sendo considerado: treinamento de graduação em longos carreiras e coleta, permanência e treinamento integral do aluno. Existem outros programas, como melhorias na infraestrutura universitária, cuja execução afeta estudantes de graduação, que não estão levando em conta nesta estimativa.

2 Colegas envolvidos nesta triangulação estão familiarizados com o fenômeno, um deles Foi diretor do dide e o outro funciona com os alunos que exibem baixo desempenho.

Referências

1. Acosta, M. (2009). Os processos de aprendizagem e sua incidência em deserção estudantil no Programa de Química Farmacêutica da Universidade de Cartagena. Psicologia do Caribe. Universidade do Norte, 24

, 26-58.

2. Argyris, C. (2001/1999).

Sobre a aprendizagem organizacional. México: Oxford.

3. Ashe (2007). Condições institucionais associadas ao sucesso do aluno.

Relatório de Ensino Superior, 32 (5), 69-103.

4. Ashe-Eric (2003). Uma estrutura para retenção.

Relatório de Ensino Superior, 30 (2), 75-112.

5. Ashe-Eric (2004). Programas de retenção de estudantes exemplares.

Relatório de Ensino Superior, 30 (3), 53-66.

6. Bailey, M., Calcagno, J., Jenkins, D. Leinbach, T., Kienzl, G. (2005). Além do aluno direito a conhecer dados: fatores que podem explicar as taxas de formatura da faculdade comunitária.

Community College Research Center, Columbia University. 4.

7. Barefoot, B. (2004). Porta giratória do ensino superior: confrontando o problema do aluno desistir em faculdades e universidades dos EUA.

Aprendizagem aberta, 19 (1), 9-18.

8. Feijão, J. (1982). Attrio estudantil, intempções e confiança: efeitos de interação em um modelo de caminho.

Pesquisa no ensino superior, 17, 291-319.

9. Feijão, J. (1985). Efeitos de interação com base em um nível de classe em um modelo exploratório de síndrome de abandono de estudantes universitários.

American Educational Research Journal, 22, 35-64.

10. Bean, J. Y N. Vesper (1990). Abordagens quantitativas à teoria de aterramento em dados: usando Lisriel para desenvolver um modelo local e teoria do atrito estudantil.

reunião anual aera. Boston, ee.uu.

11. Berger, J. Y Milem, J. (1999). O papel do envolvimento dos alunos e percepções de integração em um modelo causal de persistência do aluno.

Pesquisa no ensino superior, 40 (6), 641-664.

12. BIDDLE, B.; Banco, B.; Slavings, R. (1987). Normas, preferências, identidades e decisões de retenção.

Psicologia Social Trimestral, 50, 322-337.

13. Bourdieu, P. Y Passeron, J. (1964/2003).

los herederos. Los estudiantes y la cultura. Título Original: Les Héritiers. Les ÉtuSiants et la cultura. Argentina: Editores de Siglo XXI.

14. Braxton, j.; McKinney, j.; Reynolds, P. (2006). Catalogando os esforços institucionais para entender e reduzir a partida do estudante universitário.

Novas direções para pesquisa institucional, 2006 (130), 25-32.

15. Cabrera, A., Castañeda, M., Nora, A. (1992). O papel das finanças no processo persistente: um modelo estrutural.

Pesquisa em Ensino Superior, 33, 571-593.

16. Cabrera, A., Castañeda, M., Nora, A., Hengstler, D. (1992). A convergência entre duas teorias da persistência da faculdade.

Jornal de Ensino Superior, 63 (2), 143-164.

17. Cabrera, A., Nora, A. Y Castañeda, M. (1993). Persistência da faculdade: Equações estruturais Modelando o teste e integrados modelos de retenção de estudantes.

Jornal de Ensino Superior, 64, 123-139.

18. Cinda (2006).

educación Superior en iberoamérica. Informe Venezuela 2006. Chile: CINDA-Centro Interuniversitario de Desarro. Disponível en: www.cinda.cl

19. Cinda (2007). Educación Superior en iberoamérica. Informes 2007. Chile: CINDA-Centro Interuniversitario de Desarro. Disponível www.cinda.cl

20. Cinterfor (1994). Políticas de Juventud en América Latina: avaliación y diseño. Informe de Venezuela (1994). Cinterfor Centro Interamericano Para El Desarro del Conocimiento En La Formación Profesional (OIT / CINRAFOR) OIT: Organización Internacional del Trabájo. Disponível en (revisado por Última Vez 03/02/08)

21. CNU-OPSU (2003). Boletín Estadístico de Educação No. 23, 2003. Departamento de Estadística CNU-OPSU. República Bolivariana de Venezuela. Disponível en http://www.cnu.gov.ve/estadisticas/boletin.php?tipo=2 & nivel = 11 (revisado por Última Vez EL 03/02/08).

22. COON, D. (1999). Psicología. Exploración y aplicativas. México: Thomson.

23. CTA-DACE (2009). Informa Del Rendimiento Académico de Las Cohortes 2007 y 2008, Carreras Largas, Corthas y Ciu. Sartenejas: Universidad Simón Bolívar.

24. Darlaston-Jones, D., Cohen, L., Haund, L., Young, A. Y Drew, N. (2003). O projeto de suporte de retenção e persistência (RAPS): uma iniciativa de transição. Questões em pesquisa educacional. 13, 10.

25. Donoso, S. Y Schiefelbein, E. (2007). Análisis de Los Modelos Explicativos de Retención de Estudiantes En La Universidad: Una Visión Desde La DesigualDad Social.

Estudios Pedagógicos, 33 (1), 7-27. Disponível en http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext & pid = S0718-07052007000100001 & lng = es & nrm = ISO (revisado por Última Vez 09.10.08).

26. Durkheim, E. (1951).

suicídio: um estudo em sociologia. Nueva York: The Free Press (1897: Le Suicide: etude de sociologie, Paris: Alcan.)

27. Eccles, J., Adler, T., Futerrcreme, R., Goff, S., Kaczala, C., Meece, J. Y Midgley, C. (1983). Expectativas, valores, e comportamentos acadêmicos. PT: J.T. Spence (ed.).

Motivos de realização e realização: abordagens psicológicas e sociológicas. São Francisco, CA, Ee.uu.: Freeman e Co.

28. Educación Superior (2006). América Latina Piensa La Deserción.

educación superior. Boletín Informativo. 7. Disponível PT: http://menweb.mineducacion.gov.co/educacion_superior/numero_07/index.htm (revisado por Última Vez EL 04/02/08).

29. IMethon, C. (1990). Um modelo psicológico de persistência estudantil.

Pesquisa em Ensino Superior, 31 (3), 109-132.

30. Figuero (1993). El Fenómeno de la Deserción Estudiantil en Especialidad de Matemáticas del Instituto Pedagógico de Maturín y Su incidencia en la Baja Matrícula. Trabajo de Grado de Maestría, Universidad Pedagógica Experimental Libertador, Instituto Pedagógico de Caracas.

31. Fishbein, M., Y Ajzen, I. (1975). Crença, atitude, intenção e comportamento: uma introdução à teoria e pesquisa. Ma, ee.uu.: Addison-Wesley, lendo.

32. Fuentes, M. (2001).

Modelo de Deserción en Estudiantes de Postgrado: Factors de Riesgo Y de Protección. TRABAJO DE GRAFO PARA OPTAR AL TÍTULO DE MAGÍSTRIZ PT Ciencias de la Educação.Universidade Nacional Experimental Simón Rodríguez.

33. Geldstein, R. (2004). Família e escolaridade de adolescentes nos principais aglomerados urbanos da Argentina 1990-2000.

Sistema de informação de tendências educacionais na América Latina. Debate 1. Disponível em www.siteal.iipe-ovei.org (1/01/09).

34. Halpin, R. (1990). Uma aplicação do modelo de Tinto para a análise da persistência do calouro em uma faculdade comunitária.

Community College Review, 17 (4), 22-32.

35. Hernandez-Sampieri, R., Fernández-Collado, C. e Baptista, P. (2003).

Metodologia de pesquisa. México: Mc Graw Hill.

36 Himmel, E. (2002). Modelos de análise para deserção estudantil no ensino superior.

Qualidade da Educação, 2, 91-107.

37. IESALC-UNESCO (2005). A metamorfose do ensino superior.

Relatório sobre o ensino superior na América Latina e no Caribe 2000-2005. Disponível em http://www.unesco.org.ve/publicaciones/Boletin-InformeES.htm (Última revisada em 01/26/08).

38. Ishitani, T. e Desjardins, S. (2002). Uma pesquisa longitudinal de abandono da faculdade nos Estados Unidos. Artigo apresentado na Reunião Anual da Associação de Pesquisa Institucional.

ERIC ED473067, 1-34.

39. Janusik, L. e Wolvolvin, A. (2007). A equipe de pesquisa de comunicação como comunidade de aprendizagem.

Educação, 128 (2), 169-188.

40. Kerlinger, F. e Lee, H. (2002).

pesquisa de comportamento. México DF: McGraw-Hill.

41. Longden, B. (2006). Uma resposta institucional à mudança de expectativas dos alunos e seu impacto nas taxas de retenção.

Jornal de política de ensino superior & gestão, 28 (2), 173-187.

42. López, M. (1983).

Deserção escolar na Escola de Biologia da Faculdade de Ciências do UCV. Trabalho de grau ainda não publicou. Caracas: Universidade Central da Venezuela.

43. Miller, A. (2007). Alunos que persistem: relacionamento carinhoso que faz uma diferença no ensino superior.

JN Envio Online, Eric: ED497500, 9.

44. Muñoz, A. (2004). Perfil do estudante desertor e excluído no ensino superior. Caso National Experimental University of Táchira (UNET) anos de 1995 a 2004. (mimeografado)

45. Noble, K., Flynn, T., Lee, J. e Hilton, D. (2007-2008). Prevendo experiências universitárias de sucesso. Evidência de um programa de retenção de primeiro ano.

Retenção de estudantes universitários: pesquisa, teoria e prática. 9 (1), 39-60.

46. Páramo, G. e Correa, C. (1999). Deserção do estudante universitário. Conceituação

Revista da Universidade EAFIT. Colômbia. 2, 65-78.

47. Pardo de águeiro, M. (1983). A deserção dos alunos do núcleo universitário da costa e fatores vocacionais. Caracas: USB, coleção de tese.

48. Pascarella, E. e Chapman, D. (1983a). Validação de um modelo teórico de retirada da faculdade: efeitos de interação em uma amostra multi-institucional.

Pesquisa no ensino superior, 19 (1), 25-48.

49. Pascarella, E. e Chapman, D. (1983B). Uma validação analítica multi-institucional e analítica do modelo de retirada da faculdade de Tinto.

American Educational Research Journal, 20 (1), 87-102.

50. PASCARELLA, E., E Terenzini, P. (1991).

Como afeta a faculdade. São Francisco: Josey-Bass.

51. Rausch, J. e Hamilton, M. (2006). Objetivos e Distrações: Explicações do Antigamente Atrição de calouros da universidade tradicionais.

O relatório qualitativo, 11 (2), 317-334. Disponível em http://www.nova.edu/ssss/QR/QR11-2/rausch.pdf

52. Rivas, M. (2002). Desativa acadêmica e deserção estudantil na graduação: Caso Universidad Catholic Andrés Bello. Trabalho de grau para optar pelo título de mestrado em educação mencionar a gestão educacional.

53. Rojas, H. e González, D. (2008). A deserção estudantil na Universidad Ibagé, Colômbia: uma leitura histórica na perspectiva quantitativa.

Revisão do Instituto de Estudos Superiores em Educação. Universidade de Rioja. 9, 70-83.

54. Romero, O. e Salom of Bustamante, C. (1992).

Estudantes bem sucedidos Como eles são? Ediciones Rogya: Mérida, Venezuela.

55. Saneen, A. (2004). Educar todo o aluno.

Mudança, 36 (3), 28-33.

56. Schmid, C., Abell, P. (2003). Fatores de risco demográfico, padrões de estudo e envolvimento do campus relacionado ao sucesso dos alunos entre os estudantes universitários da comunidade técnica de Guildford.

Community College Review, 31 (1), 1-16.

57. Schwartzman, S. (2004). Acesso e atrasos na educação na América Latina.

Sistema de informação de tendências educacionais na América Latina. Debate 1. Disponível em www.siteal.iipe-ovei.org (1/01/09).

58. Sen, A. (2000), exclusão social: conceito, aplicação e escrutínio

. Papéis de desenvolvimento social (1). Banco de desenvolvimento asiático.

59. Siteal. (2008).

Sistema de informação de tendências educacionais na América Latina. Indicadores. Disponível em http://www.siteal.iipe-oei.org/basededatos/descripbase.asp (Queried 22/03/10).

60. Spady, W. (1970).Dropouts do ensino superior: uma revisão interdisciplinar e síntese.

Intercâmbio, 1 (1), 64-85.

61. Tinto, V. (1975). Dropout do ensino superior: uma síntese teórica de pesquisas recentes.

Revisão da pesquisa educacional, 45 (1), 89-105.

62. Tinto, V. (1981). Os limites da teoria e prática no atrito estudantil.

Jornal de Ensino Superior, 45, 687-700.

63. Tinto, V. (1987).

deixando a faculdade. Chicago: a imprensa universitária.

64. Tinto, V. (1993).

Deixando faculdade: repensando as causas e curas do atrito estudantil (2º ed.). Chicago: A Universidade de Chicago Press.

65. Tinto, V. (1997). Salas de aula como comunidades: explorando o caráter educacional da persistência dos alunos.

Jornal de Ensino Superior, 68, 599-623.

66. Tinto, V. (1998). Faculdades como comunidades: Tomando pesquisas sobre persistência estudantil a sério.

A revisão do ensino superior, 21, 167-177.

67. Tinto, V. (2003). Promovendo a retenção de alunos através da prática de sala de aula. Presentado PT

Melhorar a retenção de estudantes: Usando a política e a prática internacional. Conferencia Internacional Patrocinada por El Europeia Acesso à Europa Y El Instituto para Estudos de Acesso PT Staffordshire University. Amsterdã, de 5 a 7 de novembro de 2003.

68. Tinto, V. (2006). Movendo-se da teoria para a ação: construindo um modelo de ação institucional para o sucesso do aluno.

Cooperativa Nacional de Educação Postsecondery.

69. Tinto, V. (2009). Como ajudar os alunos a ficarem bem-sucedidos.

Crônica do ensino superior. 55 (22), 33-36.

70. Tinto, V. Y Russo, P. (1993).

Um estudo longitudinal do programa de estudos coordenados no Colégio Comunitário Central de Seattle. Um estudo do Centro Nacional de Ensino, Aprendizagem e Avaliação Postsecondy, Syracuse University.

71. USB (1998). Reglamento Estudiantil de la Universidad Simón Bolívar.

Centro de documentaçãoCión y archivo de la USB. Sarteneejas: autor. Disponível en www.cenda.usb.ve/publicaciones/reglamentos.php (Consulado 22/03/10).

72. USB (2008A).

Boletín Estadístico 2004-2008. Sarteneejas: autor. Disponível en http://www.usb.ve/conocer/pdf/boletin_estadistico_04_08.pdf.

73. USB (2008b). Informe Trimestral Acerca de la Março de la Universidad, Octubre-Diciembre 2008. Sarteneejas: Autor. Disponível en http://www.cpyd.usb.ve/pdf/informe_oct_dic_08.pdf.

74. Valera, J., Sinha, S., Varela, J., Ponsot, E. (2009). UNA Explicación del Rendimiento Estudiantil Universitário Mediante Modelos de Regesión Logística. Revista Visión Gerencial. 2, 415-427.

75. Van den Berg, M., Hofman, W. (2005). Sucesso estudantil na educação universitária: um estudo multi-medição do impacto dos fatores estudantes e do corpo docente no progresso do estudo.

ensino superior. 50 (3), 413-446.

76. Van Gennep, A. (1960/1909).

os ritos de passagem. Traducción de Monika B. VIZEON Y Gabrielle L. Caffee. Chicago: Universidade de Chicago Press.

77. Zúñiga, M. (2006). Deserción Estudiantil PT El Nivel Superior. Causas y solución. México: Trilhas Editoriais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *