Março 12, 2021

Estratégias de transferência de informação *

apresentações

estratégias de informação na transferência de informação *

dra. C. Alice Ferry de Moraes1

Resumo

É proposto o uso de estratégias de informação como uma ferramenta para facilitar o processo de transferência da informação, com o objetivo de promover a saúde exercício de indivíduos. À medida que as estratégias não existem, formalmente, na imagem teórica das ciências da informação, era necessário realizar uma investigação conceitual e interdisciplinar que a Basaasa justificará sua existência e ação. A análise serviu para detectar estratégias existentes no discurso de imagens nos vídeos, construídos de certas informações de saúde. Uma tipologia de estratégias foi então criada, com base em suas formas de ação e em conceitos das áreas de comunicação, linguística, cognição, sociologia, antropologia e educação. As estratégias são úteis, não apenas na transferência de informações de saúde, mas também em outros aspectos da vida, bem como na produção e recuperação de informações, através do registro em bancos de dados, seus níveis de leitura, interesse e audiência, no formato Marc.

Palavras-chave: Estratégias de informação, transferência de informação, ciência da informação.

abstrato

Este artigo propõe o uso de estratégias informativas como uma ferramenta para o processo de transferência de informações da facilidade voltada para promover a saúde por meio do exercício dos indivíduos. Como essas estratégias não se existem na imagem teórica da ciência da informação, era necessário fazer uma pesquisa conceitual e interdisciplinar para fornecer os motivos para justificar sua existência e ação. A análise serviu para detectar as estratégias existentes no discurso das imagens de vídeo construídas com base em certas informações de saúde. Uma tipologia de estratégias foi criada com base em suas formas de atuar e conceitos das áreas de comunicação, linguística, cognição, sociologia, antropologia e educação. Concluiu-se que as estratégias são úteis, não só para a transferência de informações de saúde, mas também para a produção de informações e recuperação através do registro de bancos de dados de leitura, juros e níveis de audiência no formato Marc.

Palavras-chave: Estratégias de informação, transferência de informações, ciência da informação.

Copyright: © Econimed. Contribuição de acesso aberto, distribuída sob os termos da licença Creative Commons – compartilhamento não comercial igual 2,0, que permite consultar, reproduzir, distribuir, comunicar publicamente e usar os resultados do trabalho na prática, além de todos os seus derivativos, Fins comerciais e licença idênticos, desde que o autor ou autores e sua fonte original sejam citados adequadamente.

Quote (Vancouver): Ferry of Moraes a. As estratégias de informação na transferência de informações. Acimiu 2006; 14 (2). Disponível em: http://bvs.sld.cu/revistas/aci/vol14_2_06/aci11206.htm consultado: dia / mês / ano.

No setor da saúde, intervenções voltadas para as comunidades onde existem ou é necessário evitar que diferentes doenças sejam necessárias. Estas ações são organizadas a partir da informação epidemiológica existente sobre o objeto de ação comunitária. Uma vez que as intervenções tiverem sido realizadas, novos dados epidemiológicos são coletados e as decisões mais convenientes são tomadas para as próximas ações. Em cada intervenção, a informação é gerada na saúde de vários tipos. Um deles é aquele que é procurado para o indivíduo, com o propósito de refletir e experimentar uma mudança em seu comportamento em relação à sua saúde e sua vida. Este tipo de informação não é proposto que os indivíduos adquiram comportamento automático, mas analisam as informações recebidas e reconsiderem suas idéias, atitudes e comportamentos. Para conseguir isso, é essencial que as informações cheguem claramente e simplicidade ao indivíduo, adaptadas às suas experiências e realidades. Esta adaptação faz parte de um tipo de intervenção na Comunidade, é uma intervenção com informações em saúde.

A biblioteconomia, tradicionalmente, lida com a organização e controle das informações, com vista à sua recuperação. As ciências da informação estudam o uso, qualidades e transformações causadas por informações. Ao analisar certos projetos de intervenção social em saúde, é possível perceber que as informações, apesar de estarem corretas do ponto de vista, é apresentada de maneira errada em relação aos requisitos para uma transferência. Há uma falha em como desenvolver sua intenção quando é direcionada aos seus receptores.No entanto, alguns projetos, – no caso dessa contribuição, os vídeos – alcançam sucesso na transferência de informações, através do desenho de estratégias que facilitam sua assimilação.

Na biblioteca, há uma regra que estabelece a adequação das informações para o leitor, ou seja, o bibliotecário deve entregar o livro ou documento (informação) apropriado para a capacidade de discernimento do usuário. Mas, com a acumulação de informações que é divulgada em vários suportes, muitas vezes, sem contato direto com o usuário, é necessário usar uma estratégia que fornece os elementos de identificação de informações para registro em sistemas de informação, e assim facilitar sua recuperação.

Nas ciências da informação, a visão cognitiva recomenda que o usuário avalie as informações que recebe. Ainda assim, no momento do acesso à informação, as barreiras podem surgir que tornam impossível para a compreensão total das informações do usuário. Consideramos, no entanto, que as estratégias diminuem os obstáculos à percepção das informações e, como é a informação em saúde, a importância dessa assimilação aumenta, porque contribui para a melhoria das condições de vida e exercício dos cidadãos pelos seus usuários.

Informações

As informações de saúde contribuem para a prevenção de doenças e a promoção da saúde, na medida em que fornece uma mudança no comportamento dos indivíduos. Essa informação altera a estrutura cognitiva de indivíduos e acionadores de ações que podem ser, entre outras, mudando seu comportamento.

Informações, portanto conceituadas, é usada pelos teóricos da visão cognitiva das ciências da informação. A Brooke afirma que a informação faz parte de todas as atividades humanas, e é difícil separar seus efeitos objetivos e subjetivos. A informação não é apenas lingüística.1 A linguagem, incluindo a das imagens, é usada apenas parte de todas as informações potencialmente acessíveis em nosso ambiente atual. As informações objetivas que nos preocupa serão transformadas em subjetivas para cada um de nós.

“As informações dependem de uma observação sensorial, mas os dados sensíveis, portanto, percebidos, devem ser interpretados subjetivamente por uma estrutura de conhecimento a ser transformada em informações. A absorção de informação pela estrutura do conhecimento pode não ser uma simples adição, mas pode significar algum ajuste na estrutura, uma espécie de mudança nas relações entre conceitos existentes. “1

como elementos para facilitar o Processo de transferência de informações, pontos de Belkin, no relacionamento do usuário / do receptor com o discurso, sua forma, linguagem, estrutura lógica, narrativa e vocabulário. Destaque, no entanto, que a capacidade persuasiva da fonte pode levar a respostas diferenciadas pelo usuário / receptor.2

A intenção do emissor de informações, de acordo com Wersig, deve estar aperfeiçoando a comunicação para transferir as informações da melhor e mais simples maneira possível. Mas, o ideal é conhecer as necessidades da informação daqueles que receberão as informações.3

Ao falar sobre o treinamento do usuário, Wersig aponta a existência de barreiras para a circulação de informações que são, para nós, a antítese de estratégias. Citações, por exemplo: a barreira terminológica, a barreira da capacidade de leitura ou nível de compreensão, a barreira do tempo, et cetera.4

roberts afirma que as informações são adquiridas no ambiente, mas nem sempre em forma estruturada. Os indivíduos têm suas próprias experiências, uma estrutura de informação e uma série de atitudes associadas a elas. As alterações das atitudes podem ser associadas à aquisição de novas informações. A informação inovadora é avaliada, aceita ou rejeitas, é relacionada, manipulada e, possivelmente, exerce uma influência de acordo com a maneira pela qual é apresentado.5

Caurro estabelece que a condição contextual das informações deve ser destacado, isto é, sua dimensão histórica, cultural, econômica e política, que são essenciais para a compreensão. Esta visão concede a informação uma dimensão pragmática, relacionada à hermenêutica e heurística.6

Os vídeos em saúde, utilizados em ações para intervir em um determinado grupo social com a intenção de gerar um conhecimento sobre certas doenças em todo o grupo , eles precisam transmitir uma informação que é aceita.

“Os produtores de informação são limitados pelas competências contextuais e cognitivas dos habitantes de diferentes realidades; Eles precisam, portanto, adotar estratégias de distribuição, que permitem a aceitação de seu produto “.7

É observado, portanto, que o valor das informações está localizado em uma realidade específica e é aprimorado na transferência. Este valor é relativo e específico para cada indivíduo, dependendo de suas preferências por meio de informações em detrimento de outra e sua competência cognitiva para entender as informações e estabelecer possíveis comparações.

O uso de diferentes tipos de estratégias de informação, pode fornecer valor agregado às informações.

O valor das informações, de acordo com González de Gómez, é o resultado de uma seleção individual e social, que pode incluir fatores de caráter emocional, cultural, prático e gnoseológico .8 Esse autor, além disso, Considera o “interesse” como o princípio de um link e uma diferenciação de informações. As estratégias de informação podem colaborar na construção desse “juros” .9

No caso de saúde, ações de intervenção social são éticas, porque pretendem salvar vidas ou melhorar suas condições. Intervenções com informações, de acordo com certas estratégias também são éticas para adaptar as informações ao indivíduo e ao seu grupo e, assim como para promover a inclusão social.

Estratégias de informação

Embora existam inúmeras possibilidades para o uso de estratégias de informação na ciência da informação, um conceito não foi formalmente encontrado. No entanto, é possível conceituar-os como significa que facilitar ou agilizar o processo de transferência de informações entre indivíduos, qualquer apoio, com uma intenção explícita e pública.

Cada acervo contém informações organizadas para seus usuários. Por exemplo, a Biblioteca Manguinhos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), tem mais de 70 vídeos sobre a AIDS. As abordagens, idiomas, conteúdo e intenções desses vídeos são diversas. Existem vídeos criados para prostitutas, outros para jovens, mulheres grávidas, técnicos de laboratório, etc. Portanto, no momento em que um usuário solicita um vídeo sobre a AIDS, qual delas deve ser entregue? Os títulos dos vídeos nem sempre expressam seu conteúdo corretamente.

Existe informação, mas deve ser adaptado a cada usuário em um determinado momento. Dicho esto, se perciben entonces dos estadios en el análisis de la información: el primero, que exige la observación de la información existente, que debe almacenarse, y de la cual se debe extraer, elementos que identifiquen la intención de su existencia ya quien ella se dirige. Nesse processo, a análise do discurso facilita essa identificação. O segundo estádio refere-se à construção de sistemas de informação nos quais as informações devem ser identificadas em detalhes, para facilitar o reconhecimento e acesso em sites, portais, arquivos, vídeos ou outros locais. Em ambas as situações, as estratégias de informação são muito úteis.

Os produtores de vídeos precisam de estratégias de informação para transferir adequadamente informações para seus destinatários. No entanto, na literatura analisada, uma classificação ou tipologia estabelecida para a categorização desse tipo de estratégias foi encontrada.

Desenvolver uma tipologia de estratégias de informação, é necessário usar conceitos existentes em outras áreas do conhecimento. Esses conceitos envolvem as dimensões relacionadas, ambas com a produção e com sua disseminação.

Os discursos são usados para o estabelecimento dos vários tipos de comunicação em várias situações sociais, sejam orais, escritas ou com imagens em movimento. Eles agem de comportamento humano e recebem influências do contexto. Conhecer alguns elementos discursivos favorece a construção de estratégias para uma transferência de informações através dos vídeos, que são discursos feitos com imagens.

A análise do discurso serve como um instrumento de trabalho para “interpretar” os vídeos em saúde.

“interpretar, para o analista do discurso, não é atribuir sentidos. É entender, isto é, explícito a maneira como um objeto simbólico produz sentidos, e isso se apaga para saber que o significado sempre pode ser outro “.10

Como eles são usados, as estratégias facilitam a produção de significado, um processo legitimado pelas ciências da informação e pela comunicação. É importante, portanto, destacar que a identificação de estratégias para a análise do discurso é o resultado de uma ação objetiva.

“A interpretação de qualquer tipologia não deve ser feita automaticamente. Os resultados da aplicação de uma tipologia devem se referir ao contexto sócio-histórico do texto que foi objeto da análise, mas esses resultados não são evidentes por si mesmos “.11

Os sistemas de informação precisam identificar estratégias usadas para a comunicação receptora de produtores em diferentes mídias disponíveis, mas em particular nos projetos audiovisuais, nos vídeos, com vistas a alcançar melhor processamento e subsequente disseminação desse tipo de informações entre seus usuários; As estratégias utilizadas na elaboração desse tipo de materiais devem ser consideradas dados para sua descrição bibliográfica. Isso tornará possível que o bibliotecário conheça o público ao qual o material é dirigido, sua intenção, sua fala e outras características úteis para determinar sua possível relevância para os destinatários, cada um com suas necessidades específicas.

Classificação de estratégias de informação

As estratégias, na qual falamos, não são as estratégias de busca bem conhecidas, nem as estratégias de informação, pois alguns governos chamam os adotados para estruturar a estrutura. sociedade ou conhecimento. Essas estratégias correspondem a um nível de macro.

Estratégias, às quais nos referimos, estão localizados em um nível micro. Eles podem ser observados no momento da seleção de informações com base nas imagens disponíveis, bem como na produção de vídeos de saúde, e também podem ser úteis em hipertextos do que nos sites.

Eles podem ser de vários tipos. Entre eles, eles se destacam:

    estratégias de comunicação de informação.

são construídos de conceitos e modelos teóricos de comunicação e agir no momento da transferência de informações do receptor de informações.

Entre estratégias desse tipo, projeta um devido à sua frequência de uso na produção de vídeos em saúde e é a de persuasão. Ela apresenta particularmente nos vídeos utilizados na intervenção social, com vistas a mudar o comportamento dos espectadores.

    estratégias de informação discursivas.

são elaborados de conceitos e modelos teóricos extraídos da comunicação e lingüística e são usados na edição dos vários tipos de discursos, com base na suposição de que a imagem tem o status da linguagem.

Dois conceitos-chave neles são intencionalidade e coerência. A intencionalidade tem um peso expressivo na produção do vídeo, porque compreende a intenção de estabelecer contato com o espectador até compartilhar opiniões ou provocar um certo comportamento ou ação pelo receptor. A coerência permite que o espectador capture o sentido do conteúdo do vídeo. O mundo apresentado no vídeo simula o mundo real. O produtor recria o mundo de acordo com seus objetivos, interesse e visão do mundo.12

  • estratégias de informação cognitiva.

para sua criação e uso, conceitos e modelos são obtidos principalmente do campo da cognição e atuam sobre a percepção de informações pelo indivíduo.

Há uma ação concreta, gerada pelo organismo do indivíduo e existem outras ações produzidas por diferentes razões como aquelas impulsionadas pelo interesse.

percepção, de acordo com a teoria cognitiva baseada no construtivismo, é uma elaboração feita, desde certos esquemas mentais, com dados obtidos pelos órgãos dos sentidos. Ela também é baseada no conhecimento, nos sentimentos e na fé do indivíduo que, para os outros, pertence a uma classe social, tempo e cultura. Há casos, portanto, em que a imagem quebra barreiras para se tornar “trans-histórico”, intercultural e intemporal, para se tornar perceptível por um grande número de espectadores.

  • estratégias de informação sociocultural

são construídos de conceitos e modelos extraídos da sociologia, antropologia e agir para contextualizar as informações.

A estratégia atuando sobre as informações através do campo sociocultural parte do conhecimento da realidade do cotidiano do vídeo do espectador em saúde, suas necessidades, comportamento, interação e expectativa social para ajudar a transferência do em formação.

Nas intervenções na área de saúde, a resistência ao conteúdo do vídeo pode ocorrer devido à não aceitação do que é comunicado, devido à diversidade de valores culturais do receptor ou por descontextualização do conteúdo. A resistência faz parte do processo político e cultural.

A construção de significados, relacionadas à cultura e ao contexto social, é utilizada na formação de discursos e narrativas, que, em tempos anteriores, tinham expressão pictográfica e oral, depois manuscritas e impressas.Hoje, juntamente com outras expressões, a construção de discursos e significados narrativos usa a imagem transmitida, entre outras maneiras, por vídeo.

    estratégias de informação de energia.

Eles são estabelecidos do local de comunicação que as informações se transferem. Eles são constituídos por meio do discurso, da imagem, do contexto social dentro de um tempo e um espaço histórico. Eles agem na imposição ou legitimação da informação.

O discurso científico, presente nos vídeos em saúde, é visto como competente e como forma de poder.

“O discurso competente é uma ciência um instrumento de dominação no mundo contemporâneo. O discurso competente é instalado e preservado. Qualquer um não pode dizer nada a qualquer outro, em qualquer ocasião e em qualquer lugar “.13

Uma relação de energia é imediatamente estabelecida no momento em que alguém – de estância, governo, pesquisador, etc.- Resolve produzir um vídeo ( discurso competente) para aqueles que precisam (presumivelmente aqueles que não sabem) da informação nos transmitidos.

  • estratégias de informação educacional.

são elaborados de conceitos e modelos obtidos da educação, atuam na formação de indivíduos através de informações, para a vida e a sociedade individuais, colaboram em renovação social e humanos, estão fortemente ligadas à comunicação . As informações fornecem aos indivíduos um sentido crítico, desenvolvem recursos para resolver problemas. Aprender significa saber como agir.

Qualquer projecto de intervenção social da área de saúde tenta reduzir as taxas de morbidade e mortalidade por várias doenças nas áreas urbanas e rurais, impedir que elas sejam transformadas em epidemias, melhorando a qualidade de vida e educaçam o indivíduo e a grupo.

Mas nem sempre isso acontece, porque é necessário que a população possua um nível educacional suficiente para assimilar as informações que, ao mesmo tempo, devem ser adequadamente transmitidas para essa população.

Os vídeos para fins pedagógicos ocorrem em grandes quantidades. No entanto, há critérios escassos sobre sua avaliação em termos de produção e recepção. Dondis realiza uma analogia com o texto verbal e observa que poucas pessoas são capazes de perceber erros nos textos compostos de imagens da mesma forma que podem observá-los em textos verbais.14

As idéias de Paulo Freire são muito presente na educação em saúde. Com base em um problema comunitário, as necessidades e prioridades de seus membros devem ser determinadas e métodos ativos para o ensino.15

    estratégias de informação técnica.

As estratégias técnicas são construídas a partir dos recursos do equipamento de vídeo. Eles atuam na transferência de informações, na construção do discurso através de imagens e na cognição.

Por exemplo, as câmeras de vídeo têm vários recursos técnicos relacionados ao foco, iluminação, som, etc. Um dos elementos de captura da atenção do espectador, por exemplo, é o ponto luminoso da cena. Os planos de filmagem são empregados com uma intenção definida. Os ângulos da Câmara, em relação ao objeto filmado, influenciam a reação do espectador.16,17

As cores, existentes em cenários naturais e artificiais, as roupas, os tecidos de fundo, são elementos que Colabore no condicionamento das cenas para os desejos do produtor do vídeo e transmita emoção, realismo, contexto e temporalidade para o destinatário. Em alguns casos, imagens em preto e branco servem para diferenciar os tempos de ação de um vídeo em cores.

Imagens estáticas, tais como: fotografias, gravuras, ilustrações, gráficos, tabelas, desenhos podem ser incluídos em imagens em movimento. A incoerência aparente dessa ação requer uma técnica específica, use esses elementos como representações e contrapontos do movimento de fala composto de imagens.

Registro bibliográfico das estratégias de informação

O processo de transferência de informações é muito importante e as ciências da informação, tradicionalmente, abordaram este tópico, mas não de uma maneira de pragmática.

Necessidade e necessidade são elementos que impulsionam o processo de informação. Uma informação, se você não quiser ou mostrar corretamente, dificilmente conseguirá chamar a atenção de alguém.

A validade do uso de estratégias de informação na produção e seleção de vídeos em saúde é indiscutível, bem como a necessidade de um sistema para sua classificação. Eles podem ser de grande valor para a produção de vídeos e, nos videotames, eles podem servir para a seleção de vídeos a serem fornecidos de acordo com seus usuários.

A identificação das estratégias utilizadas nos diferentes vídeos permite o uso de dados adicionais importantes no momento da gravação das características dos vídeos nos bancos de dados e com ela, a organização, a identificação e a disseminação serão facilitada. de informações pertinentes aos usuários. O formato Marc prevê o uso do campo 521 para notas do usuário, e tem o subcelield 0 para indicar o nível de leitura / compreensão, subcamo 1 para indicação de idade, subcamo 2 para o nível de interesse, subcampo 3 para as características de audiências especiais e subcamo 4 para o nível de motivação / interesse. Com essa informação, a atenção aos usuários nos videotames pode ser substancialmente privilegiada.

Considerações finais

Agora, a linguagem das imagens nos vídeos é um instrumento do discurso de grande uso e penetração em nossa sociedade. É claro que falar na linguagem, seja através de imagens ou não está falando sobre estruturas sociais e, consequentemente, comunicação, transferência de informação.

O uso de vídeo, informação e tecnologia de comunicação, abrange vazio, tanto na ordem de material – é uma tecnologia barata – e na ordem de compreensão – está ligada à televisão popular. O vídeo é um instrumento útil para facilitar a percepção, controle e desenvolvimento de intervenções sociais. Esta tecnologia ainda apresenta possibilidades de melhorias técnicas a partir da mudança de suporte (CD-ROM e DVD).

No momento da produção ou seleção de um vídeo de saúde, a preocupação com a transferência de informação não deve cobrir apenas o processo cognitivo, mas também, aspectos éticos, políticos e sociais, com vista para diminuir o abismo Isso existe entre parte da sociedade que você conhece e outra que você não conhece ou sabe pouco. Em outras palavras: deve haver uma preocupação para conceder o poder conferido pelo conhecimento, que é um instrumento de dominação e promoção da hierarquia social, que causa discriminação e promove as injustiças sociais.

A análise do discurso serve para explicar as maneiras como tais coisas, sem interpretar, semanticamente, o conteúdo. Mas também contribui para a construção de diferentes tipos de vídeos de saúde e identificando as estratégias de informação usadas.

As informações são um elemento-chave no sucesso ou falha de uma intervenção de saúde. A estratégia é um fator crítico para o sucesso ou fracasso de uma intervenção com informações em saúde. Eles são decisivos, porque, sem comunicação, a intervenção é impossível.

Referências bibliográficas

1. Brookes BC. A fundação da ciência da informação. Parte 1 – Aspectos filosóficos. J inf sc 1980; (2): 125-33.

2. belkin nj. Progresso na documentação. Conceitos de informação para ciência da informação. J doc 1978; 34 (1): 55-85.

3. Wersig G. Teoria da comunicação e análise do usuário. O quadro da teoria da comunicação de referência. E N: Congresso Internacional de Documentação; Buenos Aires, Argentina. Buenos Aires: Federação Internacional de Documentação, 1970.

4. Wersig G. Informação Conceiturada e Propaganda de Informação. PT: FID / ET Reunião Técnica. Características comuns de treinamento de especialistas em informação. Frankfurt: Deutsche Gesellschaft Für Dokumumation, 1977. p. 46-52. (FID / ET papel ocasional 3).

5. Roberts N. Consideração social para uma definição de ciência da informação. J doc 1976; 32 (4): 249-57.

6. CAPURRO R. Fundações da Ciência da Informação. Revisão e perspectiva. Em: Vakkari P, Cronin B (Ed.). Concepções de biblioteca e ciência da informação. Perspectivas históricas, empíricas e teóricas. Londres: Taylor Graham, 1992. p. 82-98.

7. AA Barreto. Uma questão da informação. PLOSO DE SÃO PAULO 1994; 8 (4): 3-8.

8. gonzález de gómez mn. Ou único Colar das Ações de Informação. Informar 1999; 5 (2): 7-30.

9. gonzález de gómez mn. Dois estudos Sociais da Informação Aos Estudos fazem social de ou Ponto de Vista da Informação. Em: Aquino Ma (Comp.). O Campo da Ciência da Informação. Gênese, conexões e especificidades. João Pessoa: UFPB, 2002. p. 25-47.

10. Orlandi EP. Interpretação. Autery, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

11. Orlandi EP. Para linguagem e seu. Então forma o discurso. São Paulo: Brasiliense, 1983.

12. Koch IV, TRAVAGLIA LC. Uma coerência textual. São Paulo: Contexto, 1999.

13. Chaui M. Cultura e Democracia. Ou discurso competente e falsos deles. São Paulo: Moderno, 1982.

14. Dondis D. Para Sintaxe da Visual LinguaGem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

15. Freire P. Educação para consciência crítica. Nova York: Prensa Continua, 1983.

16. Niemeyer Filho A. Ver e Ouvir. Brasília: UnB, 1997.

17. Machado A. Arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1997.

recebido: 1 de março de 2006. Aprovado: 13 de março de 2006. Dr. Dr. C. Alice Ferry de Moraes. Departamento de Ciências e Tecnologia. Centro de Informação Científica e Tecnológica. Fundação Oswaldo Cruz. Av. Brasil 4365 Manguinhos 21045-900-Rio de Janeiro RJ, Brasil. Email: [email protected]

* Versão em espanhol orientada para as ciências da saúde do graduado “ou uso de estratégias informacionais”, apresentado na língua portuguesa pelo autor para o XXI Congresso Bibliotecário brasileiro, documentação e ciência da informação, realizada no Curitiba Convention Center, Paraná, Brasil, entre 17 e 22 de julho de 2005. URL: http://www.crb7.org.br/cursoseventos/congressocbbd/arquivos/docs/AO067.doc também, foi apresentado na VI National Research and Postgaduate Encontro em ciência da informação, realizada em Florianópolis, SC, Brasil entre 28 e 30 de novembro de 2005.

1doctor na ciência da informação. Departamento de Ciências e Tecnologia. Centro de Informação Científica e Tecnológica. Fundação Oswaldo Cruz.

Tabela de processamento

Termos sugeridos para a indexação

de acordo com a comunicação de Decs1

Barreiras de comunicação; Processamento automatizado de informações.

comunicação; Barreiras de comunicação; Processamento automático de dados.

De acordo com a deci2

comunicação; Barreiras de comunicação; Processamento de informações

comunicação; Barreiras de comunicação; Processando informação.

1Venho me. Descritores em Ciências da Saúde (decs). Sao Paulo: BIREME, 2004.

Disponible en: http://decs.bvs.br/E/homepagee.htm

2Díaz del Campo S. Propuesta de términos para la indización en Ciencias de a informação. Descritores em Ciência da Informação (Deci). Disponível em: http://cis.sld.cu/E/tesauro.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *