Março 21, 2021

Boletim oficial da Agência Estadual do Estado (Português)

A ordem do Ministério do Desenvolvimento de 17 de Junho de 1997 “pelo qual as condições para o governo de embarcações de recreação são regulamentadas”, define os títulos para o governo de Estes navios e estabelece as regras gerais que regulam as atribuições e as condições da emissão delas. O objectivo desta resolução é o desenvolvimento desta ordem de acordo com a primeira disposição final, sendo o primeiro e segundo parágrafos desta resolução, ditados com base na competência prevista no artigo 6.1.1.C) da Lei dos Portos do Estado e da Marinha Mercante e da Terceira, Quarta e Quinta Secções, ditadas no domínio da competência desta Diretoria Geral naquelas Comunidades Autônomas que não assumiram o exercício efetivo de competências em termos de ensino náutico esportivo, de acordo com o artigo 5 da ordem.

A quarta disposição adicional da ordem acima mencionada especifica que a Direcção Geral da Marinha do Comerciante procederá à publicação de novas habilidades psicofísicas para a obtenção ou renovação dos títulos que possibilitam para o Governo de barcos recreativos.

Esta resolução revoga a resolução de 22 de junho de 1990, da Direção Geral da Mercant da Marina E, afirmando a imagem de defeitos físicos e doenças que constituem inutilidade para obter títulos para o governo de barcos recreativos. Além da atualização lógica da avaliação de habilidades psicofísicas de acordo com a evolução dos prêmios médicos, esta resolução apresenta uma nova abordagem levando em conta a natureza voluntária da navegação recreativa. Nesse sentido, há a possibilidade de alegrar a falta ou não o cumprimento de alguns critérios, através da adaptação da embarcação, restrição de navegação ou controle médico que permite assegurar as condições mínimas da pessoa para o governo, como Para a prestação adicional adicional da ordem do Ministério do desenvolvimento de 17 de Junho de 1997. Os critérios de aceitação são detalhados mais explicitamente, destacando os relacionados com distúrbios mentais e de conduta e aqueles relacionados à dependência, abuso e distúrbios induzidos por qualquer tipo de substância.

A ordem acima mencionada estabelece na primeira provisão adicional as validações dos títulos para o governo de barcos recreativos emitidos de acordo com os regulamentos antes da referida ordem. O objetivo dessas validações é limitar o número de títulos que não os quatro incluídos na ordem e até impedir que os títulos com a mesma denominação tenham atribuições diferentes, dependendo da sua data de emissão. A Casuistry é muito ampla e a ordem não cobre todos os casos, por isso é necessário expandir o conteúdo seguindo a linha imposta por ela, detalhando cada caso e sempre tendo em mente para reduzir as atribuições que as manchetes haviam conferido no antigo graus. Considera-se que uma ampla experiência no governo desses navios cumpre perfeitamente o objetivo de garantir a concorrência no conhecimento da navegação e segurança de que a Ordem estabelece através da provisão adicional adicional, realizando práticas e navegação básicas de segurança.

Dias do Mar e os dias de navegação obrigatórios para o padrão e os títulos de capitão de acordo com a ordem revogada, são substituídos pelas práticas básicas de segurança e navegação da ordem de 17 de junho. Há casos de cidadãos que antes da entrada em vigor desta ordem eles fizeram parte do mar ou dias de navegação. Considera-se que, em qualquer um desses casos, a ordem deve prejudicá-los no sentido de invalidar os dias feitos, e, embora seja considerado que novas práticas irão melhorar o conhecimento prático, é razoável dar um período para a conclusão dos dias do mar ou dias de navegação, mesmo que a ordem esteja em vigor.

Programa teórico de padrões e títulos de capitão contidos na ordem de 17 de Junho de 1997, tem sido uma atualização de seu conteúdo em relação à resolução de 19 de fevereiro de 1990, sem, no entanto, a diferença não é Tão substancial que não nos permite validar as partes do programa que os candidatos aprovaram em exames de acordo com o programa de resolução acima mencionado, com as partes correspondentes do programa contido nessa ordem.

O pedido de 17 de junho de 1997, que regula as condições para o governo de barcos recreativos, no seu artigo 17.º estabelece o procedimento para realizar práticas básicas de segurança e navegação. Este artigo indica que o organismo administrativo competente estabelecerá as condições para a autorização da escola ou agência para transmitir práticas. Na terceira seção, as condições referidas nesse artigo são desenvolvidas no terceiro ano.

Artigo 10 de 17 de junho de 1997 autoriza as federações esportivas náuticas à emissão de autorizações para o governo de barcos recreação, contanto que tenham sido ativadas pelo órgão administrativo competente. Na quarta seção desta resolução, estabelece as condições que permitem a habilitação das federações náuticas esportivas.

As administrações competentes são responsáveis pela convocação, organização e resolução de testes teóricos e práticos para obter. Os títulos de acordo Com as disposições do artigo 13º da ordem de 17 de junho de 1997. A este respeito, a quinta seção desta resolução é estabelecida que regula o desempenho dos exames.

primeiro. Tabela de habilidades psicofísicas.

a) Para a expedição, renovação ou valorização de qualquer um dos títulos regulados pela ordem de 17 de junho de 1997, a recorrente deve apresentar à Administração Competente, um certificado médico para As disposições das competências psicofísicas referidas no anexo I desta resolução, que credenciam as condições psicofísicas para obter os títulos de navegação exigidos pelo artigo 15º do 17 de junho de 1997. Os casos em que foi necessário de acordo com a provisão adicional adicional da ordem acima mencionada, este certificado especificará a necessidade de que a embarcação irá para as adaptações da regra ou seja equipada com meios adequados, bem como o limite de tempo do documento de credenciamento. do título ou restrições à navegação.

b) Considera-se que as pessoas que realizaram o reconhecimento médico necessário para Obtenção ou extensão da licença ou carta de condução de veículos, estabelecidos nos regulamentos do condutor e em qualquer uma de suas aulas, têm a aptidão psicofísica necessária para a gestão de vasos recreativos, com exceção da capacidade visual em termos do sentido e da visão visão de cores, de modo que a apresentação da licença de licença ou de condução em vigor juntou-se a um relatório de um médico ou diploma em tico é aceito em que a parte interessada cumpre com o critério 1.3 do anexo I, substituído pelo certificado médico emitido de acordo com o Tabela de Aptidão do Anexo I, limitando o período de validade do documento de certificado obtido ou renovado para o governo de barcos recreativos, ao indicado na licença de permissão ou de condução.

c) quando no certificado médico , a necessidade da adaptação do barco, a restrição da navegação ou a necessidade de tomar a equívoca é estabelecida IPO adicional, será registrado na parte de trás do cartão que comprova o título e após as atribuições conferidas ao título a frase “restrições psicofísicas adicionais”. As pessoas em que essas circunstâncias devem trazer um documento anexado emitido pela Diretoria Geral da Marinha Mercante, que registra a adaptação da embarcação, a restrição de navegação ou o equipamento adicional necessário.

segundo. Emissão de títulos. Validação de títulos, práticas e programa teórico.

a) O conteúdo desta seção é aplicável a todos os valores mobiliários emitidos e exames examinados de acordo com a ordem de 17 de Junho de 1997, independentemente da administração competente que emite os títulos ou convocar os exames.

b) Os interessados quando cumprirem as condições para acessar o título contido no artigo 8º da ordem de 17 de junho de 1997, solicitarão a emissão da Administração da Convocação do último exame teórico aprovado. No caso de lidar com renovações ou validações, a parte interessada processará de preferência antes da administração que tenha emitido antes.

Validação de títulos:

c) Para os graduados como um padrão de barcos esportivos no motor de primeira classe e padrão de barcos esportivos em conjunto, a ordem de 31 de janeiro de 1990 valida automaticamente seus graus pelo padrão do padrão de barcos recreativos quando qualquer um dos seus cartões expira. Este critério pode ser mantido a partir da ordem de revogação considerando que os padrões que têm esses dois graus têm experiência suficiente para acessar o título do padrão de embarcação de recreio estabelecido na ordem de 17 de junho de 1997 sem a necessidade de práticas básicas de navegação e segurança.

d) Para os graduados do padrão de barcos esportivos de segunda classe, a ordem de 17 de junho de 1997 estabelece a validação com um padrão de embarcação de recreio a motor, desde que sejam realizadas os testes práticos correspondentes a este grau. Eles são considerados como tais, o desempenho das práticas básicas de segurança e navegação correspondente ao padrão de recreação, previsto na ordem acima mencionada. No caso de as práticas acima mencionadas compreenderem a peça correspondente à vela, a validação seria realizada pelo padrão de embarcações recreativas e de navegação automotoras.

e) para os graduados do padrão de embarcação esportiva no motor de primeira classe A ordem de 17 de junho de 1997 estabelece a validação com o padrão de recreio a motor, desde que os testes práticos correspondentes a este grau sejam realizados. Consideram-se como tais, realizando as práticas de segurança e navegação básicas correspondentes ou a aprovação de um exame prático previsto na ordem acima mencionada. Se nas práticas de segurança e navegação básicas acima mencionadas, as práticas correspondentes à vela serão incluídas, o título seria um padrão de barcos recreativos e navegando. O exame prático anterior aconteceria em capitães marítimos, a fim de verificar se a parte interessada tem conhecimento prático suficiente para acessar o novo grau. No entanto, considera-se que os padrões de barco esportivos de primeira classe têm experiência suficiente para acessar o novo grau sem a necessidade de realizar os testes práticos indicados quando se exercitaram pelo menos dois anos como um padrão de um barco antes da entrada em vigor da a ordem acima mencionada e é demonstrada documentalmente apresentando o papel ou a licença de navegação. Da mesma forma, será aceito em substituição de práticas básicas de segurança e navegação, a realização, antes da entrada em vigor da ordem de 17 de junho de 1997, setenta e cinco dias de navegação ou vinte e cinco dias de mar em uma escola de Navegação de acordo com a ordem de 31 de janeiro de 1990.

f) Para os graduados do padrão de barcos esportivos de vela, a ordem de 17 de Junho de 1997 estabelece a validação com o padrão de barcos recreativos, desde que o Os testes correspondentes a essa titulação são realizados. Considera-se como tal, ou as correspondentes práticas básicas de segurança e navegação ou a aprovação de um exame prático previsto na ordem acima mencionada. Este exame prático aconteceria nas capitais marítimas, a fim de verificar se a parte interessada tem conhecimento prático suficiente para acessar o novo grau. No entanto, considera-se que os padrões de navios esportivos a navegação têm experiência suficiente para acessar o novo grau sem a necessidade dos testes práticos indicados, quando exerceram pelo menos dois anos como um padrão de um barco antes da entrada em vigor da ordem acima mencionada e é demonstrada documentalmente apresentando o papel ou a licença de navegação. Da mesma forma, será aceito em substituição de práticas básicas de segurança e navegação, a realização, antes da entrada em vigor da ordem de 17 de junho de 1997, de cinquenta dias de navegação ou vinte e cinco dias de mar em uma escola de navegação de acordo com Para a ordem de 31 de janeiro de 1990.

g) Os graduados do padrão de barcos esportivos costa podem validar seu título com o padrão iate, desde que os testes práticos correspondentes a este grau. Considera-se como tal, ou as correspondentes práticas básicas de segurança e navegação ou a aprovação de um exame prático previsto na ordem acima mencionada.Este exame prático teria lugar nos capitães marítimos, a fim de verificar se o interessado tem conhecimento prático suficiente para acessar o novo grau, é considerado que os padrões de barco esportivos costeiros têm experiência suficiente para acessar o novo grau sem necessidade de realizar a prática Os testes indicados quando exerceram pelo menos cinco anos como padrão de um vaso, e é demonstrado documentalmente apresentando o papel ou a licença de navegação. Da mesma forma, será aceito em substituição de práticas básicas de segurança e navegação, a realização, antes da entrada em vigor da ordem de 17 de junho de 1997, setenta e cinco dias de navegação ou vinte e cinco dias de mar em uma escola de Navegação de acordo com a ordem de 31 de janeiro de 1990.

Validação de práticas:

h) padrões de iate que começaram a realização de dias de navegação ou dias de mar antes de 3 de janeiro 1998, a fim de acessar o título do capitão iate, eles serão período até 3 de julho de 1999 para completar os dias de navegação ou dias do mar necessário de acordo com a ordem de 31 de janeiro de 1990. Estes dias de navegação ou dias do mar ser aceito para substituir as práticas básicas de segurança e navegação para acessar o novo grau do capitão do iate.

i) padrões de barco de lazer um vela e motor, ou vasos de esportes e motor de primeira classe Classe ou barcos esportivos costeiros que começaram a realização de dias de navegação ou dias do mar antes de 3 de janeiro de 1998, a fim de acessar o título do iate definido na ordem de 31 de janeiro de 1990, eles terão tempo até 3 de janeiro de 1999 Complete os dias de navegação ou os dias do mar necessário. Estes dias de navegação ou dias do mar serão aceitos para substituir as práticas básicas de segurança e navegação para acessar o novo título do padrão iate.

j) As pessoas que superam em sua totalidade ou em parte o exame teórico do Os títulos do capitão ou padrão de iate de acordo com o programa da ordem de 31 de janeiro de 1990, podem optar por realizar o mar ou dias de navegação de acordo com a ordem de 31 de janeiro de 1990 ou práticas básicas de segurança e navegação de acordo com a ordem de 17 de junho , 1997, no caso de escolher a primeira opção, os candidatos para o título de capitão de Yate terão um prazo para realizá-los até 3 de julho de 1999 e os candidatos do iate terão tempo até 3 de janeiro de 1999.

Validação do Programa Teórico:

k) As partes do programa padrão iate serão validadas a partir da resolução de 19 de fevereiro de 1990, que superou os candidatos quando Apresentar os exames de padrão iate de acordo com a ordem de 17 de Junho de 1997, de acordo com o seguinte:

i. O parágrafo 1, a segurança, é válida em sua totalidade se as velhas teorias do navio assuntos, segurança do mar, primeiros socorros e propulsão mecânica são aprovadas.

II. A seção 1.1 é válida se o assunto da Teoria do Navio Antigo for aprovado.

III. Seções 1.2, 1,3, 1,4, 1.5 são válidas se o antigo assunto de segurança no mar for aprovado.

iv. A seção 1.6 é válida se o assunto antigo de primeiros socorros for aprovado.

v. O parágrafo 1.7 é válido se o antigo sujeito da propulsão mecânica for aprovado.

VI. O parágrafo 2, a navegação, é válida em sua totalidade se o antigo sujeito de navegação teórico for aprovado.

VII. O parágrafo 3, a meteorologia e a oceanografia, é válida em sua totalidade se o antigo sujeito de meteorologia for aprovado.

VIII. Parágrafo 4, os procedimentos de radiotelefônicos são avaliados na sua totalidade se o antigo curso de procedimentos de radiotelefone for aprovado.

ix. O parágrafo 5, a legislação e os regulamentos, é válida em sua totalidade se a nova questão da legislação e regulamentos forem aprovadas.

l) As partes do programa do capitão do iate serão validadas na resolução de 19 de fevereiro de 1990, Eles superaram os candidatos quando são submetidos a exames do capitão iate de acordo com 17 de maio de 1997, de acordo com o seguinte:

i. O parágrafo 1, a teoria dos navios e a construção naval são válidos se o antigo navio de teoria dos navios e construção naval for aprovado.

II. O parágrafo 2, a navegação, é válida se o assunto de navegação antigo for aprovado.

III. Parágrafo 3, cálculos de navegação, é válido se o curso antigo de cálculos astronômicos for aprovado.

iv.Parágrafo 4, meteorologia e oceanografia, é válido se o velho meteorologia e o oceanografia sejam aprovados.

v. O parágrafo 5, inglês, é válido se a velha questão do inglês for aprovada.

terceiro. Práticas básicas de segurança e navegação.

a) Os requisitos contidos nesta seção estabelecem as condições para a realização de práticas básicas de segurança e navegação no âmbito da Direção Geral da Marinha Merchant pelas escolas autorizadas, em As comunidades autónomas onde as funções e serviços em termos de ensinamentos náuticos esportivos não foram transferidos.

b) As escolas de navegação autorizadas são autorizadas dentro do âmbito de aplicação desta Direcção Geral de acordo com a resolução da Direcção Geral da Marinha mercante de 8 de outubro de 1990, enquanto uma nova regulamentação foi aprovada na segunda disposição transitória da ordem de 17 de junho de 1997, para transmitir práticas de segurança básicas e navegação, desde que cumprisse o que é estabelecido nesta seção. / p>

c) As pessoas físicas ou colectivas que desejam durante este período de transição obtêm a UA Tori para transmitir as práticas básicas acima mencionadas, elas devem solicitá-la perante a Direção Geral da Marinha Mercante, credenciando os requisitos, de acordo com as disposições desta seção e na terceira seção da Resolução de 8 de outubro de 1990.

d) Barcos destinados a realizar as práticas devem ser cobertos por uma apólice de seguro de responsabilidade civil de 50.000.000 e também cobrir o risco de acidentes dos estudantes perseguidos.

e) barcos para realizar o As práticas serão exclusivamente barcos recreativos, considerando-se com os efeitos do registro e registro de acordo com o Real Decreto 1027/1989, que seu uso como um vaso de práticas confere um objetivo lucrativo.

f) vasilhas de navegação com auxiliares O motor pode ser usado para a realização de práticas básicas de segurança e navegação, desde que tenham todo o equipamento necessário para Çar a prática correspondente ao objeto do título.

g) O instrutor é a pessoa encarregada de transmitir e supervisionar as práticas, e deve estar de posse de um título profissional que o permita transmitir a acima mencionada práticas de classes de acordo com a legislação atual. O instrutor e o proprietário da escola autorizada certificam as práticas realizadas que devem ser comunicadas à administração marítima para garantir o controle de sua realização.

h) O instrutor manterá uma relação contratual com a escola responsável Para a realização das práticas.

i) O equipamento mínimo requerido nos barcos para executar as práticas será:

padrão de navegação básico. Equipamento para categoria de navegação “D” Plus Extintor, Bicho, Sinais Pirotécnicos e Tabela de Sinal de Salvamento.

padrão de recreação. Equipamento para a categoria de navegação “C” mais barómetro e termômetro, agulha para tirar atrasos, sonda e GPS.

iate padrão. Equipamento para a categoria de navegação “B” mais radar, âncora de camada e nomenclator de estações costeiras.

iate capitão. Equipamento para a categoria de navegação “A” mais dois sextos, “gráficos de pilotos”, “orientações”, lista de sinal de luz e nevoeiro “.

Quarto. Autorização Federal para o Governo de Barcos.

a) As condições para a capacitação das federações, que estão incluídas no âmbito da Direção Geral da Marinha Mercante, e que correspondam aos esportes de federação náutica de As comunidades autónomas onde as funções e serviços em termos de ensinamentos náuticos-esportivos não foram transferidos serão aqueles contidos nesta seção, em conformidade com o disposto no artigo 10º da ordem de 17 de junho de 1997.

b) As federações de esportes náuticos e à vela estão habilitadas para a emissão das autorizações referidas no artigo 10º do 17 de junho de 1997.

c) As federações de esportes náuticos e vela podem fazer os exames correspondentes para obter a autorização federal que consistirá de um teste teórico e uma prática. O teste teórico consistirá na formulação de um questionário de vinte questões em conformidade com as disposições do anexo II desta resolução.

d) As federações ativadas enviarão para esta diretoria geral para aprovação da chamada Naquele que incluirá a relação dos membros do tribunal de revisão, indicando seu grau e experiência profissional. A Direção Geral da Marinha do Comerciante determinará a supervisão ou controle desses exames e práticas.

e) As federações habilitadas se referirão a esta direcção geral dos requerentes, bem como as aprovadas nos testes acima mencionados.

f) Os candidatos para a autorização federativa devem ser dirigidos à As federações desportivas náuticas permitem, enviando um pedido padronizado de acordo com o modelo anexo como anexo III da presente resolução, e incorporar os documentos que no referido anexo III estão estabelecidos.

g) para obter a autorização federativa As partes devem ter atingido dezoito anos de idade. Os menores que chegaram a dezesseis anos podem, no entanto, obtê-lo, desde que tenham os pais ou consentimento dos responsáveis.

h) autorizações federativas emitidas pela ordem de 6 de março de 1969 de até 8 hp fiscal e aqueles emitidos pela ordem de 31 de janeiro de 1990 de até 45 hp, serão diretamente diretamente pela autorização estabelecida em 17 de junho de 1997.

i) O cartão padronizado que prova a validade do A autorização federal será adaptada ao tipo de impressão estabelecida no anexo II do 17 de junho de 1997 e deve refletir a aprovação da Direção Geral da Marinha Mercante.

J) As federações de esportes náuticos podem perceber direitos de exame que aprovam suas placas, que serão colocadas em conhecimento da Direção Geral da Marinha Mercante por sua aprovação subseqüente.

k) Barcos destinados a realizar das práticas devem ser cobertas por uma apólice de seguro de responsabilidade civil de 50.000.000 Pesetas e também cobrir o risco de acidentes dos estudantes perseguidos.

l) As práticas terão uma duração de três horas e consistirão em :

i. Como usar salva-vidas, extintores, sinais pirotécnicos e espelho de sinal.

II. Manuseio de cabos.

III. Preparações Antes de iniciar a manobra: verificações: ausência de gases explosivos, óleo do motor e nível do transmissor, nível de combustível, filtro de combustível com decantador de água em motores a diesel, toque de fundo de resfriamento. Coloque em neutro e inicie o motor. Verifica depois de iniciar: alarmes e instrumentos de controle. Refrigeração.

iv. Aplicação das regras, é claro e governo, velocidade de segurança, monitoramento e identificação de marcas e beacons.

v. Manobras em Dársena: precauções quando há cabos na água. Manobra avante e de volta. Pare o rasgado. Efeito da hélice no sentido inverso. Evoluções e Ciraboga. Efeito do leme nas evoluções (livrar a popa). Aproximação a berços ou terminais, ou para ancoradecer. Pare uma bóia. Uso do buffer. Efeitos do vento nessas manobras.

vi. Manobra do homem à água.

Os pontos anteriores de I e II podem ser realizados nos barcos ou no chão.

Quinto. Exames teóricos.

a) Esta seção especifica o procedimento a ser seguido nos exames teóricos convocados pela Diretoria Geral da Marinha do Comerciante correspondente às comunidades autônomas onde as funções e serviços não foram transferidos. Esportes náuticos .

b) Um tribunal será formado que atuará como um corpo colegiado de acordo com o segundo capítulo da Lei 30/1992.

c) O Presidente do Tribunal será o Diretor geral de inspeção marítima, ou pessoa em quem eu delego.

d) O secretário será uma pessoa a serviço da administração geral do Estado.

e) Cada exame dos exames O Presidente do Tribunal nomeia o número de membros dos membros da vogais do órgão colegiado que considera necessário, dependendo do título referido como a chamada e a estimativa dos candidatos a exames. Eles serão pelo menos dois e no máximo cinco vogais.

f) As vogais serão funcionários públicos a serviço das administrações públicas com grau náutico profissional e / ou grau superior ou de mídia com competência profissional nos tópicos de exame .

g) Em todas as chamadas, um tribunal alternativo será nomeado.

h) Os membros dos tribunais terão o direito de perceber a compensação que determina a legislação atual.

i) O vice-diretor geral da inspeção marítima estabelecerá semestralmente o número de chamadas ordinárias para cada título e local de exame, poder estabelecer a qualquer momento o número de chamadas extraordinárias que em vista do número de As partes interessadas são consideradas necessárias.

j) Os candidatos solicitarão sua admissão ao exame em uma instância dirigida ao Presidente do Tribunal, acompanhada da seguinte documentação:

i. Fotografia em cores semelhantes às do documento nacional de identidade.

II.Certificado médico oficial ajustado à tabela de aptitudes psicofísicas ou, a sua ausência, do comportamento da carta de condução acompanhada de um relatório ou diploma do médico em óptica em que é certificado que a parte interessada cumpre com o critério Rio 1.4 do anexo I, ou Fotocópia do cartão de crédito do título anterior do candidato se ele tiver ou renovado em um momento inferior a cinco anos na data da chamada que solicita.

III. Instalação dos direitos de exame estabelecidos nas respectivas chamadas e para cada um dos graus.

iv. Fotocópia do documento de identidade nacional, cartão de residência ou passaporte.

Madrid, 30 de dezembro de 1997. – O Diretor Geral, Fernando Casas Blanco.

Anexo I

Aptidudes psicofísicos necessários para obter ou renovar os graus para o governo de barcos recreativos

1. Capacidade visual

Se para alcançar a acuidade visual necessária, o uso de lentes corretivas deve ser expresso, no relatório de aptidão psicofísica, a obrigação de seu uso durante o governo de barcos recreativos. As referidas lentes devem ser bem toleradas. Para efeitos do presente anexo, as lentes intraoculares não devem ser consideradas como lentes correctivas e devem ser entendidas como visão monocular, toda perda anatômica ou funcional, ambliopia ou exclusão de um olho, bem como qualquer acuidade visual igual ou inferior a 0,10 em um olho, com ou sem lentes corretivas.

Critérios de exploração / fitness

1.1 Acuidade visual. Deverá ser possuído, se necessário com lentes corretivas, uma acuidade visual binocular de pelo menos 0,5.

não é admitida visão monocular, exceto aquelas afetadas com acuidade visual no olho de 0, 6 ou maior e Mais de três meses de idade em visão monocular, que podem obter ou renovar o documento de credenciamento do título obtido, desde que as outras capacidades visuais se encontrem. Período máximo de validade de três anos.

O documento de credenciamento do título obtido não pode ser obtido ou renovado se seis meses ou mais não tiverem decorrido após a cirurgia de refração. O período de validade será no máximo um ano durante os primeiros cinco anos e no critério opcional posteriormente.

1.2 AFCAquias e pseudoafaquias. / Monolaterais são permitidos, mas não os bilaterais, após três meses de estabelecimento, os valores determinados na seção 1.1, o prazo do documento de credenciamento do título obtido será, como no máximo, de três anos, de acordo com os critérios médicos.

1.3 sentido luminoso e visão de cores. Alterações de visão mesópica ou dalonismo ou outras alterações da visão de cores, que impedem a interpretação correta dos sinais luminosos.

1.4 Motilidade Palpebral. / Sem ptosis ou lagoftalmias podem afetar a visão nos limites e condições indicadas na seção 1.1.

1.5 Motilidade do globo ocular. DiplOpias impedem a obtenção ou renovação.

Nistagmus impede a obtenção ou renovação quando não permitir os níveis de capacidade visuais indicados nos parágrafos 1.1 a 1.6, quando é uma manifestação de qualquer doença daqueles incluídos neste anexo ou quando, Em um critério opcional, originar ou pode originar a fadiga visual durante o governo de barcos recreativos.

1.6 Deterioração progressiva da capacidade Sub VI. Doenças que causam deterioração progressiva da capacidade visual, quando não impedem a atingir os níveis estabelecidos nos parágrafos 1.1 a 1,5, implicarão reconhecimentos periódicos por tempo do que a validade normal do certificado do título obtido, o termo de validade será corrigido de acordo com critérios médicos.

2. Capacidade auditiva

Quando atingir a acuidade auditiva mínima exigida indicada na seção 2.1, é necessário o uso do aparelho auditivo, a obrigação de seu uso durante o governo do barco deve ser expressa.

Critérios de exploração / fitness

2.1 Audi Tiva Acuity. / Os afetados por hipoacusias, com ou sem aparelho auditivo, de mais de 45% combinados entre os dois ouvidos, obtiveram o índice dessa perda, executando a audiometria tonal, só pode governar barcos na categoria de navegação “D”.

3. Sistema locomotivo

Exploração / critérios de fitness

3.1 Motilidade.Não deve haver alteração que impeça a posição normal do sedente ou o gerenciamento efetivo da vesccação ou dispositivos ou requer para essas posições atípicas ou fatigadas, adaptações, restrições e outras limitações para impor pessoas, embarcações ou de navegação serão determinadas de acordo com As deficiências que a parte interessada sofrem adequadamente refletida no relatório de aptidão psicofísica e avaliada nos testes práticos correspondentes.

4. Sistema cardiovascular

Para avaliar a capacidade funcional, a classificação da assotiação do coração de Nova York será usada em níveis de atividade física do objeto de exploração da pessoa. No nível funcional I, aquelas pessoas cuja atividade física habitual não são limitadas e não causam fadiga, palpitações, dispneia ou dor angny. No nível funcional II inclui aqueles cuja atividade física habitual é moderadamente limitada e origina sintomatologia de fadiga, palpitações, dispneia ou dor angny. No nível III, há uma limitação acentuada de atividade física habitual, aparecendo fadiga, palpitações, dispnéia ou dor angny após uma atividade menor do que o habitual. O nível IV supõe a possibilidade de desenvolver qualquer atividade física sem a aparência dos sintomas e a presença de insuficiência de explice / aptidão

4.1 insuficiência cardíaca. Não deve haver alteração que afeta a dinâmica cardíaca com sinais objetivos e funcionais de descompensação ou síncope.

Não deve haver doença cardíaca que originasse os sintomas correspondentes a um nível funcional III ou IV.

4.2 Distúrbios do ritmo. Não deve haver desordem de frequência cardíaca que possa causar uma perda de atenção ou uma síncope no padrão da embarcação, exceto quando há um fundo ventrículo idiopático taquiarritmia, com um especialista em cardiologia, um período de período inferior pode ser fixado no Normal do documento de certificado obtido de acordo com os critérios médicos.

Não deve haver alteração do ritmo que originam os sintomas correspondentes a um nível funcional III ou IV.

Não deve haver nenhum uso de valvulares protéticos cardíacos ou pacemaker, exceto após três meses após a aplicação do marcapasso ou prótese valvular, com um especialista em cardiologia, o documento procreditado do título obtido com um período de tempo de dois anos pode ser obtido ou renovado.

4.3 Oaks coronarianos. Não deve haver histórico de infarto agudo do miocárdio durante os últimos três meses.

Não deve haver angina instável, e se você tiver angina estável, o prazo do documento de credenciamento do título obtido será, Como no máximo, um ano.

Não deve haver coronariopatia que origina sintomas correspondentes a um nível funcional III ou IV.

4.4 Hipertensão AR Tial. Não deve haver sinais de condição cardiovascular, rim ou endócrina que envolvam risco de estrada, nem pressão arterial sistólica superior a 200 milímetros de mercúrio ou diastólico superior a 120 milímetros de mercúrio.

4.5 aneurisms. Não deve haver cardíaco e arteriais de grandes embarcações. A correção cirúrgica de aneurismas é admitida, desde que haja um resultado satisfatório e não há clínica de isquemia cardíaca. Quando as características do aneurisma não envolvem alto risco de quebra, nem estão associadas à clínica de isquemia cardíaca, com um relatório especializado de uma cardiologia ou cirurgião vascular, o documento de credenciamento do título obtido com um período máximo de validade pode ser obtido ou renovado Um ano.

4.6 arteriopatias periféricas. Não deve haver caráter oblitectivo que produza distúrbios clínicos importantes com oscilometria muito diminuída.

4.7 doenças venosas. / Deve haver trombose venosa profunda.

5. Distúrbios hematológicos

Critérios de exploração / aptidão

5.1 Processos hematológicos de onco.

5.1.1 Processos tão intitulado para tratamento quimioterapêutico. / Após três meses desde a conclusão do último ciclo de tratamento, com um relatório favorável de um hematologista, e desde que no último mês não houvesse anemia, leucopenia ou trombopenia grave será um período de validade de três anos, no máximo , até os dez anos de remissão total, igualmente credenciado com um relatório de hematologista.

5.1.2 Polycythemia Vera. / Se nos últimos três meses não houver um valor de hemoglobina maior que 20 gramas por decilitador, proporcionando um relatório favorável de um hematologista, o prazo do documento de credenciamento do título obtido será de dois anos, no máximo.

5.1.3 outros distúrbios oncohematológicos. / Não admitido quando a anemia, a leucopenia ou a trombopenia grave foram apresentadas nos últimos três meses ou quando nos últimos seis meses houve leucocitose superior a 100.000 leucócitos por XL ou trombocitose superior a 1.000.000 de plaquetas por XL., Apresentando também relatam Um hematologista, o período máximo de validade será de dois anos.

5.2 distúrbios não -ematológicos.

5.2.1 anemies, leucopenias e tromopenias. Anemias, leucopenias ou tromopenia grave ou moderada de caráter agudo nos últimos três meses, se for apresentado um relato favorável de um hematologista, caso em que o documento de credenciamento do título obtido com um termo de validade é obtido ou renovado. Máximo, Dois anos.

5.2.2 Distúrbios de coagulação. Os distúrbios de coagulação são aceitos que requerem tratamento substituto habitual se for apresentado um relato favorável de um hematologista, caso em que o documento de credenciamento do título obtido com períodos de validade, no máximo, três anos, pode ser obtido ou renovado.

5.2.3 Tratamento anticoagulante. / Estes casos são aceitos em que descompensações foram produzidas no último ano que teria necessária a transfusão plasmática, se um relato favorável de um hematologista for apresentado, caso em que o documento procreditado obtido com períodos de períodos pode ser obtido ou renovado. Validade, no máximo, dois anos.

6. Sistema renal

Exploração / critérios de fitness

6.1 Nepholdes. / Os pacientes submetidos a programas de diálise, com um relato favorável de um nefrologista, podem obter ou renovar o documento de credenciamento do título obtido com um período máximo de validade de dois anos.

6.2 Transplantação renal. / Aqueles submetidos ao transplante renal, após mais de seis meses de antiguidade de evolução sem problemas derivados dele, com um relato favorável de um nefrologista, pode obter ou renovar o documento de credenciamento do título obtido com um período de validade máxima de três anos .

7. Sistema respiratório

Critérios de exploração / fitness

7.1 Dysneas. / Deve haver disno permanente em repouso ou esforço leve.

7.2 Distúrbios do sono. Não é permitido a síndrome de apneia obstrutiva do sono, os distúrbios relacionados a ele, nem outras causas de sonolência excessiva diurna.

7.3 Outras condições. Não deve haver distúrbios pulmonares, pleurais, diafragmáticos e mediastínicos que determinem a incapacidade funcional, avaliando o distúrbio e a evolução da doença, especialmente tendo em conta a existência ou possibilidade de ocorrência de dispneia paroxista, dor torácica intensa ou outras alterações que elas pode influenciar a segurança do governo da embarcação.

8. Doenças metabólicas e endócrinas

Exploração / critérios de fitness

8.1 “Diabetes mellitus”. Não deve haver “diabetes mellitus” que se enrolam com instabilidade metabólica severa que requer assistência hospitalar. Sempre que o tratamento hipoglicêmico é necessário, deve ser fornecido relatório médico favorável e, a critério do opcional, o período de tempo pode ser reduzido. No caso do tratamento com insulina, o prazo do documento de credenciamento do título obtido será no máximo um ano.

8.2 quadros de poglicemia. Não deve haver hipoglicemia aguda ou alterações metabólicas que estudam com perda de consciência.

8.3 Outras doenças endócrinas, paratireoide e adrenais. Não deve haver doenças endócrinas com sintomatologia, exceto se a parte interessada apresentar um relatório favorável de um especialista em endocrinologia e o período de validade será fixado de acordo com os critérios opcionais.

9. Sistema nervoso e muscular

Não deve haver doenças do sistema nervoso e muscular que produzam perda grave ou diminuição das funções do motor, sensorial ou de coordenação que afetam involuntariamente o controle do barco.

Critérios de exploração / aptidão

9.1 doenças do sistema nervoso encefénico, medular e periférico. / Não deve haver:

Doenças do sistema nervoso central ou periférico que produzam perda grave ou diminuição de funções motoras, sensoriais ou de coordenação.

episódios sincopais.

Tremores de grandes oscilações.

Espasmos que produzem grandes movimentos de cabeça, tronco ou membros.

tremores e espasmos involuntaram involuntariamente com o controle do barco.

9.2 Epilepsia e crises convulsivas de outras etiologias. Não há convulsões epilépticas permitidas ou crises com perda de consciência durante o ano passado.Se mais de um ano tiver decorrido, os afetados devem fornecer um relatório favorável de um neurologista em que o diagnóstico, o cumprimento da crise, a frequência da crise e que o tratamento farmacológico prescrito não impede o governo da embarcação. O prazo do documento de credenciamento do título obtido será de dois anos no máximo. No caso de ausência de crise durante os últimos três anos, o prazo de validade será no máximo cinco anos.

No caso de outros distúrbios convulsivos primários ou secundários devido ao consumo de medicamentos ou drogas. ou pós -urgia, um período livre de crises de pelo menos seis meses através do relatório neurológico deve ser creditado.

9.3 Alterações de equilíbrio. Não deve haver alterações do equilíbrio (tontura, instabilidade, tontura, vahido) permanente, evolutiva ou intensa, sejam elas de origem otológica ou outra.

9.4 Quisã transitório. Ataques isquêmicos transitórios até decorrer, pelo menos seis meses sem sintomas neurológicos. Aqueles afetados devem fornecer um relatório favorável de um especialista em neurologia em que a ausência de sequelas neurológicas é registrada. Quando, excepcionalmente, e com uma opinião favorável de um especialista em neurologia, as sequelas neurológicas não impedem a obtenção ou renovação, o prazo do documento de credenciamento do título obtido será no máximo um ano.

9.5 Acidentes É sublister shandics. Acidentes isquêmicos recorrentes não devem existir.

10. Distúrbios mentais e de conduta

A aplicação adequada dos regulamentos e determinação do cumprimento do critério jurídico específico de competência ou incapacidade do indivíduo requer, além do diagnóstico clínico, informações adicionais sobre a deterioração funcional do pessoa e sobre como essa deterioração afeta as capacidades específicas em questão. Para garantir esses extremos, a opinião favorável de um neurologista, psiquiatra, psicólogo, ou mais de um desses médicos será necessária, dependendo do tipo de desordem.

Critérios de digitalização / aptidão

10.1 Delirium, euggestion, transtornos amnestos e outros distúrbios engrenados intrometidos. Não deve haver suposições de delírio ou demência. Também não são casos de distúrbios amnestosos ou outros distúrbios cognitivos que envolvem risco à navegação. Quando, excepcional e com uma opinião favorável de um neurologista ou psiquiatra, não impede a obtenção ou renovação, o período de validade do documento de credenciamento obtido será no máximo seis meses.

10.2 Distúrbios dos homens devido a Doença médica não classificada em outras seções. Não deve haver distúrbios catatônicos, alterações agressivas de personalidade ou outros distúrbios que envolvem um risco para a segurança da navegação. Quando, excepcional e com uma opinião favorável de um neurologista ou psiquiatra, não impedir a obtenção ou renovação, o período de validade do documento de certificado obtido será no máximo seis meses.

10.3 Esquizofrenia e outros psicóticos distúrbios. Não deve haver esquizofrenia ou desordem delirante. Nem outros distúrbios psicóticos que apresentam inconsistência ou perda de capacidade associativa, idéias delirantes, alucinações ou comportamento violento, ou que por algum outro motivo implicam risco de segurança de navegação. Quando, excepcionalmente e com uma opinião favorável de um psicólogo ou psiquiatra, não impede a obtenção ou renovação, o período de validade do documento de credenciamento obtido será no máximo um ano.

10.4 Transtornos de humor. / Deve haver distúrbios sérios do humor que levam alta probabilidade de comportamentos de risco para a própria vida ou a dos outros. Quando, excepcionalmente, há uma opinião de um psiquiatra ou psicólogo favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de certificado obtido de acordo com o critério opcional pode ser reduzido.

10.5 Transtornos sociativos. / Você não deve admitir esses casos que envolvem risco para a segurança da navegação. Quando, excepcionalmente, há uma opinião de psiquiatra ou psicólogo favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de certificado obtido de acordo com o critério opcional pode ser reduzido.

10.6 Distúrbios do sono de não-respiratório origem. / Nenhum caso de narcolepsia ou distúrbios de hipersomnias diurnas de origem não respiratória, já são primários, relacionados a outro transtorno mental, doença médica ou substância induzida. Nem outros distúrbios do ritmo circadiano que supõem o risco para a atividade de navegação não são permitidos.Em casos de insônia, será dada especial atenção aos riscos associados ao possível consumo de drogas. Quando, excepcionalmente, há uma opinião opcional favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de credenciamento do título obtido de acordo com os critérios opcionais pode ser reduzido.

10.7 Transtornos de Personalidade. / Deve haver distúrbios sérios de personalidade, particularmente aqueles que se manifestam em comportamentos anti-sociais em risco para a segurança das pessoas. Quando, excepcionalmente, há uma opinião de um psiquiatra ou psicólogo favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de credenciamento do título obtido de acordo com os critérios opcionais pode ser reduzido.

11. Transtornos relacionados a substâncias

estarão sujeitos a atenção especial, dependência, abuso ou distúrbios induzidos por qualquer tipo de substância. Nos casos em que surge uma atitude de dependência ou abuso, o documento de credenciamento do título obtido para o governo de embarcações recreativas pode ser obtido ou renovado, desde que a situação de dependência ou abuso tenha sido extinta após um período demonstrado de abstinência e não há são sequelas irreversíveis que envolvem risco para a segurança da navegação. Para garantir estes extremos, uma opinião favorável de um psiquiatra, um psicólogo ou ambos, dependendo do tipo de desordem, será necessário.

Exploração / Critérios de Aptidão

11.1 dependem CIA e / ou abuso de álcool. / A existência de dependência e / ou abuso de álcool não é admitido. Nem casos de dependência em que a reabilitação não é devidamente credenciada. Nos casos de prorrogar o histórico de financiamento e / ou abuso com um relatório favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de certificado obtido de acordo com o critério opcional pode ser reduzido.

11.2 O consumo possui drogas e medicamentos bitais. / O consumo habitual de substâncias que comprometem a aptidão para governar embarcações sem perigo, nem o consumo habitual de medicamentos que, individualmente ou como um todo, produzem graves efeitos adversos sobre a capacidade de governar embarcações. Quando, excepcionalmente com relatório médico favorável, o medicamento ou drogas não envolvem um risco de navegação, o documento de credenciamento do título obtido, reduzindo, se for caso disso, o período de validade de acordo com o critério opcional pode ser obtido ou renovado.

11.3 Dependência de drogas e drogas. / Dependência de drogas ou drogas não é permitida. Se houver um histórico de dependência, a reabilitação deve ser devidamente credenciada. Em casos de existência de uma história de dependência de drogas ou drogas, com o relatório favorável à obtenção ou renovação, o prazo do documento de credenciamento do título obtido de acordo com os critérios opcionais pode ser reduzido.

12. Aptidão perceptiva-motor

Quando, de acordo com o critério opcional, os sinais de deterioração de aptidão detectados dos preditores

são duvidosos para determinar a incapacidade de governar os navios com segurança, podem ser explorações complementares e, incluindo, superando um teste de navegação prática destinado a verificar as habilidades citadas no relatório correspondente.

Em geral, o opcional levará em conta as possibilidades de compensação de possíveis deficiências, considerando a capacidade adaptativa de o indivíduo.

Critérios de exploração / fitness

12.1 Estimativa do movimento. / Nenhuma alteração é permitida limitar a capacidade de adaptar-se com segurança a situações de navegação que exigem estimativas de relacionamentos temporais de espaço.

12.2 Coordenação Visomotora. / Alterações que envolvem a incapacidade de se adaptar adequadamente à manutenção da trajetória do barco. O governo de barcos com piloto automático pode ser autorizado mediante avaliação nos correspondentes testes práticos. Nos casos de obtenção, a capacidade de aprendizagem psicomotora será levada em consideração.

12.3 Tempo das reações de mullet. Não são permitidos alterações graves na capacidade de discriminação ou tempos de resposta.

12.4 Inteligência prática. / Nenhum caso é permitido em que a capacidade da organização espacial é inadequada para navegação.

13. Outras causas não especificadas

Quando a incapacidade é emitida para governar embarcações recreativas devido a qualquer causa não incluída nas seções anteriores, uma justificativa particularmente detalhada e justificada será necessária com uma expressão do risco avaliado e a deterioração funcional Esse julgamento do opcional impede o governo do barco.

Exploração / critérios de aptidão

13.1 Outras causas não especificadas. / Você não deve obter ou renovar o documento de credenciamento do título obtido a qualquer pessoa que sofresse de doença ou deficiência não mencionada nas seções anteriores que podem envolver uma deficiência funcional que compromete a segurança da navegação pela regra um barco, exceto se a parte interessada acompanha uma opinião opcional favorável. Os mesmos critérios são estabelecidos para transplantes de órgãos não incluídos neste anexo. Quando não impedem a obtenção ou renovação e reconhecimentos periódicos a serem realizados pelo período inferior à validade normal do credenciamento do título obtido, o período de validade será fixado de acordo com critérios opcionais.

Anexo II

conteúdo teórico

Tempo mínimo: quarenta e cinco minutos.

Teste de vinte perguntas, das quais você tem que responder corretamente 70 por 100 globalmente Exceto pelas cinco questões da regulação da abordagem daquelas que não podem falhar mais de dois.

O teste será distribuído nos seguintes grupos:

Três perguntas sobre a nomeação de nomeação.

Três perguntas sobre segurança.

Quatro perguntas sobre navegação.

Três perguntas sobre a propulsão do motor ou vela (dependendo da opção escolhida).

Cinco perguntas sobre a regulamentação de abordagens.

Uma pergunta de apoio.

Uma pergunta sobre a legislação.

programa para obter A Autorização Federal

Para o Manuseio de Barcos Recreativos

Assuntos Comuns e Motonautics

1. Nomenclatura náutica:

1.1 dimensões. Manga, manga e conceitos de rascunho.

1.2 partes do barco. Arco. Popa. Linha de flutuação. Lados Porta. Estibordo. Trabalho ao vivo, trabalho morto, coberto e porão.

1.3 Estrutura, acessórios e elementos auxiliares: quel, corrimãos, leme, hélice, imborn, cornamoas e bitas.

1.4 elementos de amarração e Âncora: capa, chicote, mama, gaza, firma e retorno. Noray, morto, bóias, defesas, buffer. Âncora, anel, fundação, levar e garrarear conceito.

2. Segurança:

2.1 Precauções para não perder a flutuabilidade: torneiras e tampões inferiores. Buzina. Draxes e Imbornos. Achique significa para barcos navegando a uma distância máxima de quatro milhas da costa.

2.2 Emergências: Homem para a água, manobra para livrar o naufrágio dos hélices, manobra de coleta. Manobras de dar e tomar trailer. Risco ao fazer combustível. Derramamentos Gases explosivos em áreas fechadas. Governando o mar com mau tempo.

3. Navegação:

3.1 Conceito de perigos para navegação: baixo, pedras que garantem. Conceito de milha náutica e nó.

3.2 navegando em águas rasas: quebrado. Precauções com nadadores e mergulhadores. Precauções ao inserir águas não-beaconizadas.

3.3 Planejando uma saída: autonomia dependendo do consumo. Previsão meteorológica.

4. Propulsão:

4.1 Características dos motores de popa e de execução, interior e propulsão à turbina, quanto à sua instalação.

4.2 instrumentos de controle e controles de manobra do motor.

5. Acordo Internacional para evitar abordagens:

Regra 3: Definições.

Regra 5: Vigilância.

Regra 6: Velocidade de segurança.

Regra 7: Risco de abordagens.

Regra 8: Manobra para evitar abordagens.

Regra 9: canais estreitos.

Regra 12: Direito a passo entre as embarcações Para navegar.

Regra 13: Situação do escopo.

Regra 14: Situação de retorno encontrada.

Regra 15: Situação de cruzamento.

Regra 16: Manobra de quem o passo dá.

Regra 17: Manobra de quem se segue para a Rumbo.

Regra 18: Obrigações entre categorias de barcos.

Regra 19: Conduta de barcos com visibilidade reduzida.

6. Beacon:

6.1 Day Marcas laterais, “A” Região: significado e identificação.

6.2 Marca de risco isolado: significado, forma, parada e cor.

7. Legislação:

7.1 Attributos desse grau.

7.2 Áreas proibidas ou com limitações na navegação. Praias (sinalização), falésias. Limitações para a navegação estabelecida em Regulamentos Policiais Portuários.

Satier Autorização

Vélica Tecnologia:

Rigging: conceito de manipulação, bola. PALOS, TANGON, BOTVARA.

Garcia: Conceito de Garcia, Obenakes, Estadia, Drizas, Celebridades, AVODillos, Contras.

Velas: Conceitos de velas, punhos, Sable, Vela Sênior , Flece, Gênova, Spinnaker.

Sape Propulsão: Bumper para estibordo e porto. Navegue por muito tempo, aftas ou tensas. Ganhar barlavento. Bordado Chama. Cair. Cachos. Rolls.

Tome cachos. Tack. Adicionado por Avante e se virou. Perfurador

segurança: efice. Homem na água. Perturbar Papel do leme.

Anexo III

Modelo de aplicação

Solicitação de participação de teste para obter a autorização federativa que permite ao governo de recreação de barcos

Apelido:

National Identity Document:

data de nascimento:

endereço: rua ou praça:

Localização:

Código postal:

Localização do exame:

deseja ser examinado para obter A autorização da Federação da Federação,

Por isso, é permitido participar da chamada de,

para celebrar o

, de 199

Assinatura

Documentação fornecida:

duas fotografias.

fotocópia do documento de identidade nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *